Idoso fica 6 dias perdido em selva e afirma: "pensei que eu ia morrer"

Idoso fica 6 dias perdido em selva e afirma: "pensei que eu ia morrer"

Família diz que Francisco tem problemas de memória.

Francisco Melo de Araújo (77) deixou o hospital Regional do Juruá em Cruzeiro do Sul (AC) na manhã de segunda-feira (15) em uma cadeira de rodas. Ele foi internado na tarde de domingo (15) após ter sido resgatado na floresta por familiares e pelos homens do Corpo de Bombeiros. Francisco foi encontrado sem roupas, próximo a um igarapé, depois de passar seis dias perdido na floresta. Ele disse que durante o período em que esteve na selva comeu apenas um caroço de buriti e bebeu muita água.

O idoso saiu de casa no último dia 8 dizendo que ia visitar uma sobrinha que mora no bairro São José. No percurso, pegou outro caminho, seguiu em direção ao lixão de Cruzeiro do Sul, entrou na mata e não conseguiu sair. Segundo a família, ele toma remédio controlado para pressão alta e tem problema de perda de memória.

?Não sei onde eu estava e pensei que ia morrer, estava preso na lama e não conseguia sair sozinho. Se tivesse ficado mais um dia, sei que tinha morrido. Senti muita fome e frio, não sabia como voltar para casa e estava com saudade da minha família?, disse emocionado.

Após dois dias do desaparecimento, a família registrou uma ocorrência na delegacia de polícia e buscou ajuda do Corpo de Bombeiros. Francisco foi encontrado próximo ao lixão com uma sacola de remédios. Catadores de lixo informaram que tinham visto o idoso caminhado por uma trilha que passa pelo lixão, dizendo que ia para casa de uma sobrinha.

A filha, Rosa Maria Araujo, disse que a família ficou abalada, mas nunca perdeu a fé e as esperança de encontrá-lo com vida. ?Foi um momento muito difícil, nossa família e amigos se empenharam nas buscas e graças a Deus meu pai foi encontrado com vida?, disse aliviada.

Quem também não conteve a emoção no reencontro foi o irmão Paulo Melo de Araújo (74). ?Eu não ia sair daquela mata até que encontrassem meu irmão, estava com medo de não encontrá-lo mais vivo?, vibrou.

O subcomandante do Corpo de Bombeiros, tenente Clodoaldo Pinheiro, disse que a corporação auxiliou a família do desaparecido durante todos os dias de buscas, tanto na selva como nos igarapés onde haviam vestígios de que ele tinha passado.

Fonte: G1