Instituto de Identificação de Teresina está superlotado

Instituto de Identificação de Teresina está superlotado

De acordo com a administração do órgão público, uma das razões para a superlotação é o grande fluxo de pessoas de cidades do Maranhão

Para retirar a segunda via do documento de identidade, a população teresinense está enfrentando longas filas no Instituto de Identificação João de Deus Martins, na Avenida Barroso, em frente à Praça Saraiva, centro da capital.

A população reclama que o atendimento é muito demorado e que alguns funcionários são um pouco grossos. Muitos afirmam que não conseguem atendimento no mesmo dia, mesmo depois da longa espera.

Segundo o estudante Luís Felipe, que foi pela terceira vez ao Instituto, a demanda ultrapassou no limite e o órgão não amplia a estrutura para atender a crescente demanda.

?O problema é a ínfima quantidade de senhas que eles distribuem por dia. O volume de pessoas aqui é bem superior ao número de senhas disponíveis?, declara Luís.

Vilma Pereira é vendedora e reclama que o problema não é só a demora no atendimento, mas também a qualidade do serviço que é prestado. Para ela, muitos funcionários tratam o povo com arrogância e de um modo grosseiro.

?O problema não é nem tanto a demora é a ignorância. O atendimento aqui é péssimo?, afirma a vendedora, destacando que deixa de cumprir outras obrigações, porque está perdendo tempo na fila.

Quem também reclamou do tempo foi a garçonete Maria de Jesus. Ela informa que esta é a terceira vez que procura o órgão em busca da segunda via do documento de identificação.

A quantidade de tempo perdido atrapalha sua rotina e seu trabalho. ?A gente perde muito tempo. Cheguei aqui 05h30 e só Deus sabe se vou sair daqui com a segunda via?, declara Maria.

Coordenadora do Instituto, Leila Cristiane, esclarece que todos os dias são distribuídas 120 senhas. Além de 30 prioridade, totalizando 150 senhas por dia. ?Em todo lugar tem um limite e os funcionários também tem um horário.

A gente não pode distribuir mais senha porque aqui são salas pequenas. Não tem como a gente aglomerar essa quantidade de pessoas?, explica.

Outro problema sério apontado por ela é que muitas pessoas estão vindo do Maranhão. ?Nós não temos como negar?, declara.

Para ela, uma solução para o problema da superlotação seria as pessoas procurarem retirar suas carteiras de identidade nos bairros, para desafogar o prédio do centro.



?O pessoal da zona Sul pode tirar no Parque Piauí; no Dirceu, na Casa Brasil; na zona Norte, Escolão do Mocambinho e no Poti Velho. As pessoas estão desinformadas e não procuram os bairros. E lá se tira tanto a primeira como a segunda?, destaca.

Instituto deve mudar para o Saci

De acordo com a coordenadora, Leila Cristiane, está sendo articulado com o governo do estado um novo prédio com uma estrutura que comporte mais pessoas. "O secretário e governador estão providenciando um prédio adequado lá no Saci e isso vai melhorar o atendimento", afirma.

Ela reconhece que a atual sede do Instituto não é ideal para atual demanda. "O prédio também é um pouco apertado e tudo isso dificulta e as pessoas devem procurar os bairros para evitar o tumulto", ressalta.

Apesar da dificuldade ela avalia que o Piauí é um dos estados que entregam o documento com maior rapidez. "Eu acho que nós atendemos bem. O estado do Piauí é único que faz a carteira no dia e recebe no outro.

Cada carteira de identidade demora no mínimo 25 minuto para ser feita e as pessoas não entendem. Multiplique este tempo vezes 100", comenta.

Para agilizar o atendimento é recomendado que a população leve documentos básicos como: certidão original mais cópia, se solteiro, a de nascimento; se casado, a de casamento. Também é preciso comprovante de residência, duas fotos, e o boletim de ocorrência em caso de roubo ou perda.

Fonte: Jornal Meio Norte