Interditado, prédio de Juizado Especial em Teresina oferece riscos a funcionários

A interdição do prédio foi feita em virtude das rachaduras e do risco que correm os funcionários

O Juizado Especial do Renascença encontra-se com sua estrutura em situação precária. Trata-se de uma obra realizada há 14 anos. Em 2013 o Crea interditou o local, mesmo assim, algumas salas estão sendo ocupadas pela Defensoria e pelo Ministério Público.

A interdição foi feita com base nas rachaduras espalhadas por toda parte. Em duas salas onde funcionava o espaço do advogado está claro que a estrutura de concreto cedeu e comprometeu boa parte do prédio, isso sem contar que a fossa construída com 11 manilhas está com defeito.

O segundo pavimento do prédio está todo interditado. Nenhuma sala funciona e o teto está comprometido. Seriam salas do Ministério Público e do juiz de Direito. No pavimento está proibido qualquer atendimento. Em algumas salas há telhas quebradas, entulhos, fezes de pombos, banheiros inutilizáveis,

Parte do teto serve de esconderijo de pombos. Os móveis como mesas e cadeiras estão destruídos, aparelhos de ar condicionado estão danificados, os computadores sem nenhuma condição de uso, além dos extintores que estão vencidos há anos.

O prédio, onde foram gastos muitos recursos para atendimento ao público, seria destinado à realização de audiências e conciliações. Segundo informações o comprometimento do teto e de parte da estrutura do prédio se dá em virtude de goteiras e, principalmente, da ausência do olhar das autoridades competentes para o caso.

Sem condições de trabalho, a Defensoria já vai se mudar nesta quinta-feira, 27, para outro local. ?O maior problema aqui são as goteiras, que não são tiradas há 15 anos. Esse prédio é bom e pode ser recuperado?, disse uma testemunha.

Os funcionários pedem providências. ?O prédio está interditado há muito tempo pelo Crea. Havia uma determinação para que a gente se mudasse daqui porque a situação está muito complicada, estamos correndo riscos e a situação está muito complicada?, afirmou um funcionário.

Apesar da situação o juizado ainda atende moradores dos bairros Dirceu, Renascença e Redonda.

Ninguém quis se manifestar para tratar sobre o assunto com a equipe de reportagem da Rede Meio Norte











Fonte: Denison Duarte