3 coronéis são presos após rebelião no Equador

Os distúrbios registrados no Equador têm origem na recusa dos militares em aceitar uma reforma legal

As primeiras consequências da revolta policial na quinta-feira contra o presidente Rafael Correa chegaram neste sábado, quando foi noticiado que três coronéis da polícia foram presos por 24 horas para investigações

Ele acrescentou que os três "devem saber o que seus subordinados fazem. Se os chefes não sabem o que vai acontecer, cometem um crime de ação e omissão. Se você não fizer seu trabalho o seu dever estão cometendo um crime de omissão."

Uma fonte no Ministério Público, que falou sob condição de anonimato, pois não estava autorizado a divulgar a informação, disse que os três detidos "tem várias acusações, mas o mais importante é a tentativa de homicídio". Ele disse que a lei permite a detenção por 24 horas.

Ele se recusou a identificar os três homens, que se apresentaram voluntariamente, supõe-se que sejam o coronel Edwin Echeverría, diretor do Regimento de Quito, onde na quinta-feira houve a revolta, o coronel Julio Cueva, chefe do Distrito Metropolitano, e o coronel Jorge Rivadeneira, chefe de comando da província de Pichincha.

Fonte: Terra, www.terra.com.br