EUA: Adolescente morre por overdose por cafeína dias antes de formatura

Os legistas atestaram que ele havia ingerido uma quantidade muito alta de cafeína e, por isso, sofreu um colapso.


Adolescente morre por overdose de cafeína nos Estados Unidos

Um adolescente norte-americano morreu dias antes de sua festa de formatura do Ensino Médio por overdose de cafeína. Logan Stiner, de 18 anos, foi encontrado morto, no chão de sua casa, em Ohio, nos Estados Unidos, no último dia 27. Após a autópsia, cujo resultado foi divulgado na última quarta-feira, os legistas atestaram que ele havia ingerido uma quantidade muito alta de cafeína e, por isso, sofreu um colapso. As informações são do site Huffington Post.

Foi o irmão do adolescente que o encontrou. ?Ele está no chão desmaiado. Eu não sei por quanto tempo ele está aqui?, disse o rapaz em sua ligação para o serviço de emergência. Segundo investigadores, Stiner já estava morto.

Num primeiro momento, as autoridades acreditavam que morte de Stiner foi por causa de causas naturais. Porém, no mesmo dia, a mãe dele, Katie Stiner, encontrou sacos com cafeína em pó, guardados entre os pertences do estudante.

Após a notificação da americana às autoridades, legistas acabaram descobrindo no sangue do adolescente 70 microgramas de cafeína por ml de sangue - ou seja, 20 microgramas a mais do que pode ser considerado uma dose fatal.

?É muito difícil prever a resposta de cada um à cafeína. Algumas pessoas são mais sensíveis do que outras?, explicou Bruce Goldberger, diretor de toxicologia da Universidade de Florida. ?É aí que reside o problema. Se alguém tem uma condição médica não diagnosticada, podem ingerir cafeína não sabendo que pode ter um efeito prejudicial, tal como uma arritmia cardíaca, hipertensão ou ansiedade?.

Não está claro porque Stiner estava usando tanta cafeína. Segundo Katie, o filho já havia dito à ela que usava a substância como pré-treino para treinar wrestling na escola.

Logan planejava estudar engenharia química na Universidade de Toledo, nos Estados Unidos.

Assim como no Brasil, nos Estados Unidos, a cafeína é vendida livremente, sem precisar de prescrição médica.

Fonte: Extra online