Alemã que obrigava homens a fazer sexo é encontrada morta

Alemã que obrigava homens a fazer sexo é encontrada morta

A morte da alemã foi informada por seu último parceiro sexual, um vizinho.

Uma ninfomaníaca alemã que ganhou notoriedade após ser presa por forçar homens a fazer sexo com ela foi encontrada morta em sua casa, em Munique, na última sexta-feira, informa o jornal britânico Daily Mail.

Antje Crapnik, 47 anos, foi presa após o DJ Dieter Schulz, 43 anos, denunciar que foi trancado na casa dela e forçado a participar de repetidas sessões de sexo durante cinco horas em abril deste ano. Mais tarde, um homem africano de 36 anos foi encontrado chorando em frente à casa dela após uma sessão de sexo que teria durado 36 horas.

A morte da alemã foi informada por seu último parceiro sexual, um vizinho, que alertou a polícia após acordar e descobrir que ela estava sem vida ao seu lado. "Eu soube que havia algo errado porque, geralmente, era (sexo) a primeira coisa que ela queria pela manhã", disse o fatídico parceiro.

Ainda não se sabe se o apetite sexual insaciável teve alguma relação com a morte de Crapnik, uma vez que o resultado da autópsia ainda não foi anunciado. O vizinho afirmou que ela havia consumido vinho e uma droga, que ele não precisou, antes de deitarem.

Crapnik tinha sido apelido de a "mulher que não sabia dizer não" pela mídia alemã. Ela era proprietária de uma loja de roupas, mas, aparentemente, sua doença, que a obrigava a querer fazer sexo até dez vezes por dia, a levou a deixar o negócio e a precisar de ajuda do governo para sobreviver, diz o Daily Mail.

Fonte: Terra