Americana que pesava 18 kg mostra recuperação pós-anorexia

Rachel Farrokh arrecadou R$ 754 mil para se tratar em clínica

A americana Rachel Farrokh, de 37 anos, causou comoção na internet em abril passado ao publicar um vídeo em que pedia ajuda para não morrer. "Sofro de uma anorexia grave há mais de dez anos e, com meu peso atual, a maioria dos hospitais não me aceita", contava ela, com voz embargada, no apelo. "Mas há um (hospital) na outra costa do país que me aceitou"

Quando gravou o depoimento, em sua casa em San Clemente, no Estado da Califórnia, Rachel estava com apenas 18 kg. O vídeo já foi assistido mais de 4,3 milhões de vezes.

A reação do público superou as expectativas. A meta era arrecadar US$ 100 mil (R$ 370 mil) para seu tratamento. Até hoje, as doações já somam mais de US$ 200 mil (R$ 754 mil).

Com o dinheiro, ela conseguiu ser admitida primeiro em um hospital em San Diego, no mesmo Estado em que vive, e depois transferida para uma clínica em Portugal. Antes, havia sido rejeitada por diversos hospitais que consideravam seu caso "arriscado" demais.

Os tratamentos parecem ter funcionado. No fim do mês passado, Rachel participou de um evento em Washington D.C. para conscientizar sobre a gravidade dos distúrbios alimentares e apareceu em público com um aspecto bem mais saudável do que no vídeo que a tornou famosa.

Recuperação

Rachel vem compartilhando sua experiência e as etapas de seu tratamento por meio da página "Rachel's Road to Recovery" (A Estrada de Rachel rumo à Recuperação, em inglês) no Facebook. 

Ela contou como a vontade de perder peso foi se tornando uma obsessão e como isso resultou na anorexia.Na década em que conviveu com o distúrbio, passou por diversas clínicas, sem sucesso.

"Eles estavam muito preocupados com meu corpo, e meu corpo não estava reagindo, porque eles (os médicos) não entendiam que meu cérebro precisava ser tratado também", afirmou.

Ela resolveu pedir ajuda, porque seu marido, Rod Edmondson, havia abandonado seu emprego para cuidar dela 24 horas por dia. Em sua página no Facebook, seu marido explica que um dos desafios era voltar a alimentá-la com regularidade, já que dar muitas calorias de uma só vez poderia acelerar demais seu metabolismo, o que levaria a uma perda de peso ainda mais intensa.

'Respeito'

Em um texto publicado em agosto em sua página, ela conta que o tratamento que recebeu foi baseado em "amor e apoio para fazer o paciente se sentir seguro".

"Fui finalmente tratada com respeito", conta ela.Em um dos posts mais recentes, o médico responsável por seu caso, identificado apenas como Dr. Duarte, diz que Rachel vem conseguindo caminhar sozinha por 15 minutos por dia para desenvolver sua musculatura das pernas e equilíbrio. "Rachel está melhor, mas ela ainda tem um longo caminho a percorrer", explicou o médico

Image title

Image title

Image title

Image title

Image title


Fonte: Com informações do R7