Atacada aos 14 anos, jovem faz cruzada contra venda de ácido

Atacada aos 14 anos, jovem faz cruzada contra venda de ácido

Laxmi é uma das responsáveis pela decisão da Justiça indiana de estabelecer restrições à venda de ácido no país

Quando ainda era adolescente, um pretendente frustrado desfigurou seu rosto e parte de seu corpo; hoje, oito anos depois, a jovem Laxmi é uma das responsáveis pela decisão da Justiça indiana de estabelecer restrições à venda de ácido no país.

Todos os anos, dezenas de mulheres são vítimas de ataques com substâncias químicas na Índia e, diante da falta de programas públicos de reabilitação e compensação, vivem em um doloroso ostracismo.

Laxmi tinha apenas 14 anos na manhã de abril de 2005 quando sofreu a agressão enquanto ia a uma livraria em Khan Market, uma área comercial no centro de Nova Délhi.

"Atravessei a rua, andava pela calçada e, de repente, apareceu uma mulher. Ela me jogou no chão, e então derramaram ácido no meu rosto e fugiram", lembrou Laxmi à agência EFE. "Ninguém me ajudou, causei três acidentes com os veículos que passavam e não podia me controlar", relatou.

Um irmão de uma de suas amigas, com muito mais idade, tinha se apaixonado por ela e lhe enviava várias mensagens de SMS com pedidos de casamento que não eram correspondidos.

O ataque foi planejado pelo pretendente, Guddu, que recorreu à ajuda da namorada de seu irmão, Rakhi, para fazê-lo. Ambos foram condenados em 2009 a dez e sete anos de prisão, respectivamente.

Laxmi passou por uma série de operações - nos olhos, orelhas, rosto, mãos, nariz - que ainda não terminaram. Sua família já investiu mais de 1 milhão de rúpias (US$ 16,6 mil) em cirurgias sem ter recebido nenhum tipo de assistência do governo.

"Vou fazer mais operações, mas quero fazer também outras coisas. Quero trabalhar. Minha vida ficou parada por oito anos. Fiquei sozinha, sem amigos", explicou a jovem, que acabou de completar 23 anos, enquanto lágrimas escorriam de seus olhos.

A tristeza de suas palavras muda logo, no entanto, para a vitalidade e animação que ganhou nos últimos meses após começar a colaborar com a Stop Acid Attacks, uma campanha com sede na capital indiana.

Impulsionada por um punhado de jovens ex-jornalistas, a Stop Acid Attacks se apresenta como uma espécie de grupo de pressão para melhorar as condições das vítimas e busca fundos para assessorá-las e assisti-las.

"Na Índia não existem organizações que tratem deste assunto com profundidade. Queremos conseguir que alguns médicos aceitem fazer cirurgias gratuitas e apresentar processos na Justiça em conjunto", disse à Efe um membro da campanha, Sunit Shukla.

Em apenas algumas semanas, Laxmi surgiu como líder do coletivo e tenta transmitir seu entusiasmo para as mulheres que se juntaram ao projeto até o momento. "Me traz energia positiva. Me dá tudo. Procuro conhecer as vítimas e escutar suas histórias", afirmou.

Além disso, Laxmi comemora o resultado de um longo processo judicial iniciado em 2006 na Suprema Corte em paralelo ao caso criminal relativo ao ataque que sofreu.

Sua reivindicação: exigir às autoridades, entre outras coisas, que regulamentem a venda de ácido, um produto muito acessível na Índia e com um preço de apenas 30 rúpias por litro (US$ 0,50), que costuma ser utilizado para limpar banheiros e encanamentos.

Após anos de audiências, consultas, ordens para instâncias regionais em busca de informações e respostas vagas, a Suprema Corte ordenou nesta quinta-feira a restrição na venda de ácido na Índia e estabeleceu uma indenização de cerca de US$ 5 mil às vítimas, principalmente mulheres, das dezenas de ataques que são cometidos todos os anos no gigante asiático.

"Os ataques com ácido são um problema grave. Aguentar a dor de cada operação não é fácil. Se existem lugares onde são proibidas coisas como ovos e carne, não entendo por que não se pode proibir o ácido que destrói a vida", ressaltou Laxmi.

A jovem, que quando pequena sonhava em ser cantora, não se assusta.

"Me nego a me cobrir em público. Quero mostrar para as pessoas como são os agressores, que pensem no idiota que fez isso comigo. Se as pessoas souberem, nos apoiarão e as coisas vão mudar", assegurou.

Segundo alguns especialistas, na Índia ocorrem "dois ou três ataques com ácido por dia", mas a maioria dos casos não é denunciada às autoridades - houve apenas 27 queixas em 2010 -, e eles passam assim praticamente despercebidos.

Fonte: Terra