Bebê real renderá quase R$ 870 milhões à economia britânica

Bebê real renderá quase R$ 870 milhões à economia britânica

Um pijama feito como se fosse o uniforme da guarda real é um dos produtos à venda nas lojas do palácio

De botinhas para crianças com as cores da bandeira inglesa a pijamas com os dizeres "Nascido para Reinar", a família real britânica se uniu aos varejistas na oferta de produtos de bebê para marcar a chegada do herdeiro real.

Analistas estimam que a febre em torno do nascimento do bebê real pode estimular a economia com até R$860 milhões (240 milhões de libras).

Um pijama feito como se fosse o uniforme da guarda real é um dos produtos à venda nas lojas do palácio pelo Royal Collection Trust (Fundo da Coleção Real), que usa toda a renda para a manutenção dos palácios reais.

O príncipe Charles, o futuro avô, vende sapatos para bebês feitos a mão através de uma loja em sua residência de campo Highgrove, enquanto os avós maternos, Carole e Michael Middleton, acrescentaram uma série de produtos de bebê em seu negócio de itens de festa.

Joshua Bamfield, diretor do CRR (Centro para Pesquisa do Varejo), estimou que a chegada do bebê, em julho, poderia acrescentar mais de 240 milhões de libras à economia britânica.

"Essa é uma notícia boa e realmente não há um lado ruim. Com o nascimento em julho, as pessoas terão tempo para se envolver, e isso significa gasto adicional", disse Bamfield à Reuters depois da divulgação do relatório do CRR nesta segunda-feira.

O nascimento do bebê real, que será o terceiro na linha do trono depois do príncipe Charles e do príncipe William, é o último de uma série de eventos reais e esportivos na Grã-Bretanha.

O príncipe William se casou com Kate Middleton em abril de 2011 e a rainha Elizabeth marcou seu Jubileu de Diamante em junho do ano passado. A Olimpíada de Londres no ano passado aumentou o barulho.

Richard Cope, diretor de tendências na firma de pesquisa de mercado Mintel, espera que o filho do duque e da duquesa de Cambridge tenha um impacto positivo no gasto do consumidor, que subiu apenas 0,1% entre janeiro e março deste ano.

"Acho que a maior oportunidade comercial será com os turistas", disse Cope à Reuters, destacando um aumento de 13 % na chegada de turistas em abril.

Fonte: r7