Beduínos sequestram duas turistas brasileiras no Egito

Homens armados renderam ônibus com brasileiros na Península do Sinai.

Beduínos sequestraram neste domingo (18) duas jovens turistas brasileiras na Península do Sinai, no Egito, segundo a assessoria de imprensa do Itamaraty e fontes locais.

As jovens estavam em um ônibus de turismo que levava aproximadamente 40 brasileiros que vinham do histórico Mosteiro de Santa Catarina, no sul da península.

O ônibus foi interceptado por um grupo de beduínos que sequestrou, além das duas brasileiras, o segurança do ônibus, que é egípcio e estava armado, segundo fontes do Itamaraty.

Os sequestradores colocaram os reféns em um carro e fugiram para uma região montanhosa, segundo autoridades egípcias ouvidas pelas agências Reuters e France Presse.

Não se sabe o motivo de os sequestradores terem escolhido as jovens como reféns.

Os demais brasileiros que estavam no veículo estão em boas condições e estão sendo escoltados pelas Forças Armadas egípcias de volta para um hotel em uma cidade próxima, onde ficarão hospedados com segurança.

Fontes do Itamaraty informaram que o chefe do grupo de turistas era um pastor e pai das duas meninas, e que ele estava dentro do ônibus no momento do sequestro.

Além do segurança egípcio, o motorista do coletivo também era local e não foi ferido.

O Ministério de Relações Exteriores afirmou que as negociações das autoridades locais com os beduínos para a libertação estão avançadas, e um general do Egito foi ao local pedir a libertação das jovens.

Tropas da polícia e do Exército foram enviadas para a região, buscando localizar o paradeiro das jovens.

De acordo com uma fonte policial, um dos sequestradores seria o pai de um homem condenado por tráfico de drogas e posse de armas. Ele espera obter a libertação do filho em troca das reféns.

O novo embaixador do Brasil no Cairo, Marco Antonio Diniz Brandão, está em diálogo constante com as autoridades locais, que conhecem as lideranças das tribos beduínas para facilitar o diálogo.

Como não há notícias do paradeiro das vítimas, não houve deslocamento de representantes da embaixada ao local, disse o Itamaraty.

Fonte: G1