Brasileira é presa na Espanha acusada de fazer "gato" de luz para cultivar maconha

Brasileira é presa na Espanha acusada de fazer "gato" de luz para cultivar maconha

A irregularidade foi descoberta quando, no fim de 2011, os moradores se queixaram do aumento das contas de luz

Uma brasileira foi presa na cidade de Lorca, no sudeste da Espanha, acusada de tráfico de drogas depois de ser descoberta devido a uma conexão irregular de luz.

O "gato" levou a polícia a encontrar 1.300 plantas de maconha, mais de 350 quilos, na casa da mulher.

Segundo nota da polícia espanhola, a acusada nunca levantou suspeitas por tráfico e os vizinhos não teriam desconfiado, caso o roubo de energia não acontecesse.

A irregularidade foi descoberta quando, no fim de 2011, os moradores se queixaram do aumento das contas de luz e chamaram a companhia abastecedora, que mandou inspetores ao prédio para comprovar o funcionamento dos medidores.

A conclusão dos peritos foi que toda vizinhança estava sendo roubada. De acordo com a polícia, a única pessoa que tinha consumo mínimo de luz e água no prédio era a acusada.

Sistema de cultivo

A informação levantou suspeitas e levou a polícia a fazer uma batida na casa da brasileira na última quinta-feira, com uma ordem judicial para entrar e averiguar a origem do furto de energia.

A casa de 250 metros quadrados tinha pés de maconha em salas, quartos, banheiros e no terraço.

Oficiais afirmaram que alguns exemplares mediam 1,5 metro de altura e estavam prontos para a colheita.

A mulher de 32 anos, cujo nome não foi divulgado, teria desenvolvido um sistema para o cuidado das plantas com lâmpadas, ventiladores, aquecedores e aparelhos de rega automática, ligados 24 horas por dia na caixa de luz geral.

Também foram apreendidos vários sacos de sementes de maconha, fertilizantes e materiais diversos para cultivo.

A brasileira foi acusada de delito contra a saúde pública por cultivo de entorpecentes para fins comerciais e de fraude de energia elétrica.

A legislação espanhola permite o consumo, mas não o cultivo doméstico de maconha, que pode ser punido com pena de um a três anos de cadeia.

Fonte: UOL