Brasileiros resgatados em áreas de risco no Japão temem radiação

Brasileiros resgatados em áreas de risco no Japão temem radiação

Trinta brasileiros foram resgatados em Sendai, Fukushima e Koriyama.

Trinta brasileiros e outras 28 pessoas de outras nacionalidades tinham sido localizados e resgatados pelo empresário brasileiro Walter Saito nas regiões de Sendai, Fukushima e Koriyama, no Japão, até as 2h30 desta quarta-feira (16) - 14h30 de quarta, no horário japonês -, na operação de resgate organizada pelo consulado do Brasil em Tóquio, após os desastres naturais de sexta-feira (11).

De acordo com Saito, responsável pela missão, os brasileiros estão assustados e com muito medo que um colapso nuclear, a partir da usina de Fukushima, contamine a todos. ?Alguns já me falaram que vão deixar o Japão?, afirmou o empresário.

Saito está há quase 24 horas na estrada, à procura de brasileiros isolados em regiões afetadas pelo terremoto e pelo tsunami devastadores que já deixaram mais de 3 mil mortos. O empresário comanda um comboio de resgate com dois ônibus, um caminhão e um carro de apoio. ?O celular não parou de tocar. É gente querendo ajuda para sair de algum lugar.?

Ele próprio admitiu receio da crise atômica que ameaça o Japão. Apesar disso, topou a missão em território devastado. ?Claro que tenho muito medo de contaminação radioativa. Cheguei até a estocar alimento em casa. Mas pensei duas vezes, e aceitei essa missão porque as pessoas contavam com a gente. Pensei nas crianças que precisavam de ajuda e decidi dar a minha contribuição?, disse.

Saito afirmou que entre os brasileiros resgatados estão duas crianças. O grupo segue para Saitama, cidade onde o consulado reservou 25 apartamentos para receber os brasileiros.

O desafio agora é manter os veículos abastecidos, caso seja necessário voltar à estrada para uma nova tarefa de resgate. ?Embora eu tenha passe livre nos postos de controle e para abastecer, não há diesel (que abastecem os ônibus e o caminhão) nos postos?, contou Saito.

Ao falar com o G1, o empresário ainda tinha 200 km para percorrer. Os ônibus e o caminhão já haviam consumido metade do diesel.

Saito esteve em Sendai, uma das cidades mais afetadas pelo tsunami que se seguiu ao terremoto, para apanhar um grupo de brasileiros em frente à rodoviária. Depois, seguiu para Fukushima, onde fica a usina nuclear avariada, e seguiu para Koriyama. ?O pessoal de Fukushima me ligou desesperado, querendo deixar a cidade logo?, contou.

Em Saitama, o trabalho de Saito só terminará depois que ele acomodar todos os brasileiros.

Fonte: g1, www.g1.com.br