Ciclones matam pelo menos 80 no México e deixam 58 desaparecidos

Maioria das mortes ocorreu no estado de Guerrero: 48.

A atual temporada de ciclones tropicais está castigando o México, com novas ameaças e um rastro de tragédia que deixou até esta quarta-feira 80 mortos, 58 desaparecidos e muitas comunidades isoladas.

"Não esperávamos esta magnitude de tempestades", afirmou Luis Walton, prefeito de Acapulco, uma cidade que vem sofrendo com as fortes chuvas desde o fim de semana passado.


Ciclones matam pelo menos 80 no México e deixam 58 desaparecidos

Os ciclones tropicais Manuel e Ingrid deixaram um rastro mortal desde a última sexta-feira (13), o primeiro no lado do Oceano Pacífico e o segundo no Atlântico, em uma confluência de fenômenos meteorológicos que não acontecia há 50 anos.

O Ingrid deixou de existir na terça-feira (17), mas no Atlântico está se formando uma baixa pressão que pode se transformar nas próximas horas em ciclone, com ventos sustentados de 40 km/h e rajadas de 55 km/h.

O Manuel, por outro lado, que se formou na sexta como tempestade tropical, perdeu força no domingo (15), mas se fortaleceu e se transformou em furacão em frente ao litoral do estado de Sinaloa.

O último número de vítimas divulgado nesta quarta em Acapulco confirmou 80 mortes, a maioria delas (48), no estado de Guerrero, um dos mais pobres do país.

Mas o número ainda pode aumentar se forem confirmadas as vítimas em uma comunidade no mesmo estado, La Pintada, onde 58 pessoas são consideradas desaparecidas por causa de um desmoronamento que soterrou dezenas de casas.

"São 58 pessoas desaparecidas, sem que se possa precisar se essas pessoas estão soterradas", afirmou o presidente Enrique Peña Nieto em entrevista coletiva na cidade de Tampico.

Até a noite de quarta, 334 pessoas que viviam em La Pintada foram resgatadas por helicópteros, mas ainda restam 45 moradores, a maioria homens, que serão resgatados nesta quinta (19).

Dos 80 mortos confirmados, segundo o saldo provisório, só em Acapulco, um dos principais centros turísticos do país, 18 pessoas morreram pelas consequências de Manuel, que deixaram a cidade isolada.

Em um esforço que começou na quarta, as companhias aéreas programaram para esta quinta cerca de 30 voos para retirar milhares de pessoas que estão presas em Acapulco. A estrada que liga a cidade com a capital mexicana está fechada.

Efetivos das Forças Armadas, dos diversos corpos policiais e membros da Defesa Civil foram mobilizados para atender os milhares de desabrigados, mais de 200 mil pessoas, segundo dados oficiais.

As equipes de resgate ainda não conseguiram chegar a muitas comunidades. Em cidades como Acapulco, os mantimentos estão chegando por navio e avião, enquanto as vias terrestres continuam fechadas.

Fonte: G1