Atentado no Irã mata cientista envolvido em programa nuclear

Atentado no Irã mata cientista envolvido em programa nuclear

Roshan, professor da Universidade Tecnológica de Teerã, supervisionava a usina de enriquecimento de urânio de Natanz, na província de Isfahan

O cientista nuclear iraniano e professor universitário Mustafa Ahmadi Roshan, de 32 anos, morreu nesta quarta-feira (11) após uma bomba explodir em seu carro no norte da capital do país, Teerã.

O atentado aumentou a tensão entre o Irã e países ocidentais, relacionada ao contestado programa nuclear iraniano, pois autoridades iranianas acusaram Israel, aliada do Ocidente, pelo ataque.

A bomba, cuja explosão feriu outras duas pessoas no bairro de Seyed Khandan, próximo à universidade, foi colocada no veículo por um indivíduo que circulava em uma motocicleta, contaram testemunhas citadas pela rede Press TV.

Roshan, professor da Universidade Tecnológica de Teerã, supervisionava a usina de enriquecimento de urânio de Natanz, na província de Isfahan.

Natanz é a principal central de enriquecimento do Irã e tem mais de 8.000 centrífugas.

Irã acusa Israel

O vice-governador de Teerã, Safarali Baratloo, acusou Israel pelo ataque.

"A bomba era de tipo magnética e semelhante àquelas usadas anteriormente para assassinar cientistas, e isso é obra dos sionistas (israelenses)", disse , segundo a agência semioficial de notícias Fars.

O vice-presidente iraniano, Mohamad Reza Rahimi, afirmou que o assassinato de cientistas será incapaz de deter o programa nuclear iraniano.

"Atualmente, os que alegam lutar contra o terrorismo atacam nossos cientistas. Mas devem saber que os cientistas iranianos estão mais decididos do que nunca a avançar pelo caminho do progresso científico", afirmou Rahimi.

Outros cientistas iranianos supostamente vinculados com o controverso programa nuclear de Teerã já foram vítimas de atentados.

O cientista nuclear e professor universitário Massoud Ali Mohammadi morreu em um ataque similar, em janeiro de 2010, em Teerã.

Fonte: G1