Mulheres escrevem ao papa Francisco pedindo o fim do celibato na "Católica"

26 mulheres teria escrito carta que foi publicada pelo site "Vatican Insider".

Vinte e seis companheiras de padres pediram ao papa Francisco para repensar sobre o celibato dos homens da Igreja, numa carta aberta publicada neste sábado pelo site Vatican Insider.

"Nós amamos estes homens e eles nos amam", escrevem as mulheres que assinam com seus nomes e a inicial de seus sobrenomes a carta, à qual o site de informações religiosas teve acesso.



"Caro papa Francisco, nós somos um grupo de mulheres de todas as regiões da Itália (e não somente) que escrevemos para romper a parede de silêncio e de indiferença que nos cerca todos os dias. Cada uma de nós vive, viveu ou gostaria de viver uma relação de amor com um membro do corpo eclesiástico, por quem somos apaixonadas", afirmam as signatárias.

As mulheres, que deixaram o número de telefone no final da carta, querem, "com humildade, levar aos seus pés nosso sofrimento até que alguma coisa mude, não apenas por nós, mas também pelo bem de toda a Igreja".

Defesa do celibato

No último mês de março, Francisco defendeu fervorosamente o celibato dos padres ao falar para bispos africanos. Para Jorge Mario Bergoglio, os futuros padres devem ser bem formados desde o seminário "para viver de verdade as exigências do celibato eclesiástico, assim como ter uma relação justa com os bens materiais".

Em setembro de 2013, o número 2 do Vaticano, Monsenhor Pietro Parolin, afirmou que o celibato "não é um dogma e é possível discutí-lo já que é uma tradição da Igreja", provocando um grande debate no mundo católico.

À época, a afirmação de Parolin causaram uma entusiasmada onda de debates na mídia, mas especialistas logo alertaram que não havia nada de novo em seu discurso.

"Com certeza não é um dogma", disse um certo cardeal Joseph Ratzinger, então chefe da Congregação para a Doutrina da Fé, num livro de entrevistas publicado em 1997, "O Sal da Terra".

A escassez de padres é um tema que vem sendo discutido no Vaticano, mas Francisco não fez nenhuma alusão a mudanças nesta matéria desde que assumiu como Papa, em março de 2013.

Fonte: G1