Cuba vendeu US$ 368 milhões em charutos em 2010

Alta foi de 2% na comparação com o ano anterior

Cuba vendeu US$ 368 milhões em charutos em 2010, 2% a mais que no ano anterior, apesar da persistência da crise econômica e da aplicação de leis antifumo, sobretudo na Europa, informou nesta segunda-feira (21) o vice-presidente da companhia Habanos S.A, Javier Terrés.

O negócio da Habanos S.A., empresa cubano-espanhola que detém o monopólio sobre as vendas dos charutos cubanos, "cresceu no último ano 2%, o que nos deixa moderadamente satisfeitos", disse o executivo, em uma coletiva de imprensa, na abertura do XIII Festival Internacional do Havana.

Terrés destacou que a companhia compensou com uma "evolução muito positiva nas regiões da Ásia-Pacífico, Europa Oriental, Oriente Médio e África" o "efeito negativo" da queda nas vendas em seus principais mercados, entre eles Espanha, devido à "persistência da crise econômica internacional e das leis antifumo".



A diretora do mercado da companhia Habanos S.A., Ana López, declarou que, embora o crescimento de 2% seja mínimo, é "motivo de satisfação", já que ocorre em meio a um "ambiente de declínio, em mais de 10%, dos artigos de luxo, incluindo os havanas".

Terrés explicou que 2011 será um ano "complicado" para a empresa que, no entanto, espera manter seus níveis de venda do ano passado, e inclusive conquistar um aumento de sua cota no mercado internacional de charutos - atualmente de 72% - a partir de uma maior demanda na Europa Oriental, Oriente Médio e América.

O festival, que a Habanos organiza anualmente para promover o tabaco cubano - considerado o melhor do mundo - é dedicado neste ano a três das mais antigas e célebres marcas das 27 que integram o portfólio da companhia: Partagás, Montecristo e H. Upmann.

Na festa da fumaça azul, que também inclui uma feira comercial com 65 expositores de uma dezena de países, concursos e um seminário teórico, participam mais de 1.200 convidados de cerca de 70 países, entre eles Espanha, França e Itália.

Fonte: g1, www.g1.com.br