Deputada é entrevistada pela 1ª vez após ser baleada na cabeça

Momentos de superação, mas também de frustração, como quando chora por não conseguir responder os pedidos de seus terapeutas


Deputada americana baleada em janeiro fala pela 1ª vez após tiroteio

A deputada americana Gabrielle Giffords, que ficou gravemente ferida ao receber um tiro na cabeça em janeiro, durante um ato público, falou pela primeira vez do fato e do duro processo de reabilitação em entrevista transmitida na noite desta segunda-feira (14) pela rede de televisão ABC.

Acompanhada de seu marido, o astronauta Mark Kelly, Gabrielle recebeu em sua casa a jornalista Diane Sawyer, que realizou uma edição especial do programa "20 minutes".

O programa mostrou pela primeira vez imagens da deputada no hospital pouco depois do tiroteio, nas quais aparece na cama com uma grande cicatriz que lhe atravessa a cabeça, assim como em momentos de seu tratamento, aprendendo a falar novamente e andando pelos corredores.

Momentos de superação, mas também de frustração, como quando chora por não conseguir responder os pedidos de seus terapeutas. A família Giffords decidiu documentar cada passagem de sua recuperação caso a deputada quisesse ver um dia.

Quando a jornalista lhe pergunta como está agora, Gabrielle diz que "bastante bem", mas reconhece que foi difícil. Já seu marido destacou a perseverança da deputada, que ainda tem dificuldade para andar e articular um de seus braços.

Kelly, que comandou a missão STS-134 do Endeavour, a última do ônibus espacial americano à Estação Espacial Internacional (ISS), esteve a ponto de pedir demissão para ficar ao lado de sua esposa, mas a família dela o convenceu a não abandonar a missão.

O casal escreveu o livro "Gabby: a story of courage and hope" ("Gabby: uma história de coragem e esperança", em tradução livre), que será lançado nesta terça-feira (15), no qual narram como foram os últimos meses para ambos.

A deputada do Arizona foi baleada por Jared Lee Loughner, de 22 anos, quando realizava um encontro com seus eleitores nas portas de um supermercado em Tucson.

A bala atravessou seu crânio e o hemisfério esquerdo do cérebro - que controla as capacidades motoras -, e Gabrielle teve que ser operada em várias ocasiões.

O tiroteio, que aconteceu no dia 8 de janeiro, terminou com seis mortos, entre eles uma menina de nove anos, e 13 feridos.

Fonte: Globo.com