Deputados dão voto decisivo para a reforma da saúde nos EUA

"Está em suas mãos. É o momento de aprovar isto, em benefício dos EUA", afirmou este Obama em seu apelo final aos congressistas democratas, com os qua

A Câmara de Representantes (Deputados) dos Estados Unidos enfrenta neste domingo o voto que decidirá se aprova a reforma da saúde, a grande prioridade legislativa do presidente Barack Obama, após um ano de negociações.

"Está em suas mãos. É o momento de aprovar isto, em benefício dos EUA", afirmou este Obama em seu apelo final aos congressistas democratas, com os quais se reuniu no Capitólio.

Visto que a oposição republicana votará em bloco "não", os democratas deviam buscar entre suas próprias fileiras os 216 votos necessários para aprová-la, algo que estiveram fazendo até o último momento.

Os congressistas votarão após duas horas de debate de dois projetos de lei diferentes. Um é o que já aprovou o Senado em dezembro, e que se receber o sinal verde da Câmara se transferirá a Obama para sua assinatura e conversão em lei.

O segundo introduz uma série de emendas ao primeiro, para fazê-lo mais do gosto dos congressistas.

Se for aprovado, será levado ao Senado, que segundo o negociado entre os democratas, o aprovará sem mudanças e imediatamente, ao longo desta semana.

Se a reforma for finalmente aprovada, representará um forte respaldo para Obama, que apostou seu prestígio político no sucesso da proposta, apesar das recomendações de alguns de seus assessores mais próximos.

A oposição republicana deve votar "não" em bloco à medida, que considera que agravará o forte déficit fiscal dos EUA. No entanto, um relatório do Escritório de Orçamentos do Congresso, o braço auditor do Capitólio, aponta que a medida economizará US$ 130 bilhões em seus primeiros dez anos e US$ 1,2 trilhão em sua segunda década.

Fonte: Estadão, www.estadao.com.br