Diretor da "BBC" renuncia após notícia falsa de pedofilia

George Entwistle pediu demissão após um escândalo

O diretor-geral da emissora pública britânica BBC, George Entwistle, renunciou ao cargo neste sábado, após um escândalo provocado pela veiculação de uma notícia falsa de que um ex-político havia abusado sexualmente de um adolescente. "Eu decidi que o mais honrável a fazer é renunciar", disse Entwistle em um pronunciamento. Na semana passada, a emissora veiculou informações de que o ex-tesoureiro do Partido Conservador britânico Alistair McAlpine era acusado de molestar um jovem em um abrigo para menores nos anos 70 e 80.


Diretor da

Entwistle, que assumiu o cargo em setembro passado, disse que tomou a decisão "à luz do fato de que o diretor-geral é também o editor e, finalmente, responsável por todo o conteúdo". "Os eventos excepcionais das últimas semanas levaram-me a concluir que a BBC precisa nomear um novo líder", acrescentou. "Ser o diretor-geral da BBC, mesmo por um curto período, e nas condições mais exigentes, foi uma grande honra", afirmou.

O jornalista já havia pedido desculpas à própria equipe e afirmado que não sabia com antecedência sobre a reportagem do programa Newsnight que gerou o escândalo. Na sexta-feira, a BBC emitiu um pedido de desculpas oficial.

O programa de televisão Newsnight havia transmitido uma entrevista na qual um homem alegava ter sido abusado sexualmente por uma figura do Partido Conservador quando morava em uma casa para jovens nos anos 1970. A BBC não havia identificado este político em seu programa na semana passada, mas o nome do ex-tesoureiro Alistair McAlpine circulou amplamente nas redes sociais como o suspeito do abuso.

McAlpine denunciou essas alegações "totalmente falsas e gravemente difamatórias". "Jamais fui a qualquer lar para jovens", disse Alistair McAlpine nesta semana. Já a suposta vítima, Steve Messham, ex-presidente da Bryn Estyn, um lar para jovens no País de Gales, afirmou na sexta-feira que McAlpine não era seu agressor e que estava enganado quanto à sua identidade.

Fonte: Terra, www.terra.com.br