Em troca de recompensa, um serial killer mapeia locais onde enterrou vinte vítimas

Em troca de recompensa, um serial killer mapeia locais onde enterrou vinte vítimas

Assassino que matou até 20 na Califórnia fez revelação após promessa de dinheiro.

Um serial killer que está no corredor da morte nos Estados Unidos e que, segundo acredita a polícia, pode ter matado até 20 pessoas concordou em fazer um mapa revelando o local onde enterrou suas vítimas.

Ossos, fragmentos de crânios, bijouteria e uma bolsa foram retirados de um poço na Califórnia onde Wesley Shermantine, 45, indicou que poderia haver dez ou mais corpos, informou o jornal "Los Angeles Times".

Outros dois locais também foram revelados, e policiais do condado de San Joaquín, a cerca de cem quilômetros de San Francisco, estimaram que o trabalho será "lento e tedioso". Shermantine concordou em revelar a localização dos corpos após um acordo com um "caçador de recompensas" que pretende por as mãos no dinheiro oferecido pelo estado da Califórnia em troca de informações.

O caçador de recompensas, Leonard Padilla, ofereceu a Shermantine uma parcela de US$ 33 mil pela revelação. Entre os anos 1980 e até 1999, quando foram presos, Shermantine e seu comparsa, Loren Herzog, mataram "por esporte" até 20 pessoas nas cidadezinhas do Vale Central californiano.

Agindo sob o efeito de anfetaminas, eles se consideravam "caçadores" da mais importante presa no planeta: humanos. Shermantine foi condenado à morte por quatro assassinatos, e Herzog, à prisão por quase 80 anos. Entretanto, Herzog teve a pena reduzida e saiu da prisão em 2010.

De acordo com a imprensa americana, ele se matou recentemente quando soube que seu comparsa revelaria a localização dos corpos das vítimas.

Segundo o diário "San Francisco Chronicle", os US$ 33 mil recebidos por Shermantine serão usados em parte para pagar indenizações às famílias das vítimas, no valor total de US$ 18 mil, comprar um túmulo para seus pais, que morreram durante o seu processo, além de um computador e uma TV para melhoras as suas condições de moradia na cela.

Fonte: g1, www.g1.com.br