Enterro de prisioneiro palestino morto em Israel atrai milhares de pessoas

O cadáver apresentava hematomas e duas fraturas nas costelas que indicam que Yaradat foi torturado.

Milhares de palestinos indignados participam nesta segunda-feira (25) no distrito de Hebron do enterro de Arafat Yaradat, cuja morte em uma prisão israelense no sábado desencadeou uma onda de protestos por toda a Cisjordânia.


Enterro de prisioneiro palestino morto em Israel atrai milhares de pessoas

O clima de indignação e ódio pelas ruas do povoado levou hoje às ruas não só a população de Sair, onde vivia o falecido, mas também moradores de cidades vizinhas que o conheciam ou que simplesmente querem expressar sua indignação para com Israel, constatou a Agência Efe.

"Mataram-no em cinco dias, o sequestraram para sempre. Meu amor, meu amor... meu irmão!", dizia entre soluços Sabriye Fruj, sentada ao lado do corpo em um sofá, amparada por seu marido e por outros membros da família.

Yaradat, detido por atirar pedras, morreu na prisão israelense de Meguidó, na baixa Galileia, do que o Serviço de Prisões qualificou em um princípio de infarto.

A autópsia, realizada no Instituto Legista de Abu Kabir, em Tel Aviv, sob a supervisão de um médico palestino, só colocou mais lenha na fogueira.

Segundo o médico Saber Al Aloul, diretor do Instituto Palestino de Medicina Legista e professor da Universidade Al Quds, o cadáver apresentava hematomas e duas fraturas nas costelas que indicam que Yaradat foi torturado por Israel.

Por sua vez, os dois médicos israelenses que coordenaram o procedimento asseguram que os indícios não são conclusivos porque os machucados e as fraturas das costelas podem ter sido causados durante as tentativas de reanimação.

Um comunicado do Ministério da Saúde de Israel pedia ontem à noite para esperar os resultados dos exames toxicológicos e microscópicos para estabelecer as razões da morte.

"Isso não é só um crime, é um grande assassinato", disse uma prima do morto, que relatou à Efe que "a prisão de Meguidó é conhecida por suas torturas".

Segundo a fonte, quando os soldados o prenderam na semana passada em sua casa em uma batida noturna, disseram à família: "Despeçam-se dele porque não vão voltar a vê-lo".

Centenas de palestinos em cima de telhados e varandas seguiam a procissão fúnebre em Sair, liderada por um primeiro grupo de homens e um segundo de mulheres e meninas que levavam uma fotografia do morto coberta com flores.

O corpo ficou exposto esta manhã em uma sala próxima ao posto de gasolina onde trabalhava Yaradat. Cinco milicianos com o rosto coberto pela tradicional kafiah palestina davam de tempos em tempos tiros para o alto, em protesto que não reduziu os repetidos gritos de "Asa Akbar" (Alá é grande").

As lojas do povoado estavam fechadas em sinal de luto e várias bandeiras palestinas e das distintas facções foram expostas por suas ruas.

Fonte: r7