Estado Islâmico afirma ter executado refém japonês

Refém japonês foi decapitado por EI, diz portal que monitora jihadistas

Integrantes do Estado Islâmico divulgaram hoje (24) um vídeo em que afirmam ter executado o refém japonês Haruna Yukawa. Também foi exibida a imagem de um segundo homem, o jornalista Kenji Goto Jogo, também mantido refém pelo grupo, mostrando a foto do corpo de Yukawa. Por áudio, uma voz masculina — supostamente de Goto — implora por sua vida e afirma que o grupo exige uma troca de prisioneiros. De acordo com o conteúdo da gravação, o Estado Islâmico demanda a soltura de Sajida al-Rishawi, integrante feminina do grupo presa na Jordânia.


Este é o segundo vídeo na semana. Em uma gravação divulgada na última terça-feira, membros do Estado Islâmico ameaçavam a vida da dupla japonesa. "Ao primeiro-ministro do Japão: Embora você esteja a mais de 8,5 mil quilômetros de distância do Estado Islâmico, você se voluntariou a assumir um papel nesta cruzada", dizia um militante. Na ocasião, ambos os reféns apareciam de joelhos em um cenário desértico, enquanto homens encapuzados exigiam resgate de 200 milhões de dólares. A quantia deveria ser paga em 72 horas.

O governo japonês analisa a veracidade do vídeo divulgado hoje, de acordo com a TV estatal. O secretário-chefe de gabinete do Japão, Yoshihide Suga, disse num breve comunicado televisionado que a gravação parecia de fato mostrar o refém Haruna Yukawa sendo morto. "Trata-se de um ato ultrajante e inaceitável", disse. "Exigimos fortemente a rápida liberação do senhor Kenji Goto, o outro refém, sem danos."

De acordo com a agência de notícias Kyodo News, o vídeo da execução também foi enviado por e-mail à esposa de um dos reféns.

Yukawa, refém supostamente executado, é o fundador de uma empresa de segurança privada e foi sequestrado em agosto de 2014. Ele estava na Síria para treinar com militantes e documentava seu dia a dia no perfil de Facebook.

Goto, um jornalista freelancer em Tóquio, começou uma empresa de vídeos em 1996 e é conhecido por seu trabalho em desastres humanitários em zonas de guerra. Ele foi para a Síria em 2014 para cobrir a guerra civil e acabou raptado.

Clique aqui e curta o Meionorte.com no Facebook

Fonte: Brasil Post