EUA buscam esclarecimentos de Moscou sobre Edward Snowden

EUA buscam esclarecimentos de Moscou sobre Edward Snowden

Casa Branca anunciou nesta quarta-feira (24) que busca esclarecimentos por parte do governo da Rússia sobre o status de Edward Snowden.

Casa Branca anunciou nesta quarta-feira (24) que busca esclarecimentos por parte do governo da Rússia sobre o status do ex-consultor da inteligência americana Edward Snowden, após informações contraditórias sobre sua saída iminente do aeroporto de Moscou, onde está bloqueado.

"Buscamos esclarecimentos" das autoridades russas, disse o porta-voz do presidente Barack Obama, Jay Carney, a bordo do avião presidencial Air Force One, em referência ao anúncio sobre Snowden, que revelou à imprensa a existência de uma rede americana de espionagem das comunicações mundiais.

Segundo meios de comunicação locais, Snowden se preparava nesta quarta-feira para sair da zona de trânsito do aeroporto de Moscou, onde esteve refugiado no último mês, depois de obter um documento que o autoriza oficialmente a entrar na Rússia.

No entanto, o advogado do americano, Anatoly Kucherena, afirmou que seu destino ainda não foi selado e que o documento ainda não chegou às mãos de Snowden.

A agência de notícias oficial RIA Novosti havia indicado nesta quarta-feira que um documento emitido na Rússia confirma que seu pedido de asilo é submetido a estudo e permite que entre no país desde que os guardas fronteiriços não se oponham.

Esta agência ressaltou que o documento foi entregue oficialmente a Kucherena, o advogado que o ajuda e que atualmente está no aeroporto de Sheremetievo reunido com Snowden em uma zona segura.

O advogado do americano, no entanto, afirmou que Snowden ainda não está em posse do documento que autorizará sua saída, contradizendo as informações divulgadas.

"Na data de hoje, este documento ainda não foi entregue (a ele)", disse Kucherena à rede de televisão estatal do país, acrescentando que o processo estava sendo prolongado já que esta é "a primeira situação deste tipo na Rússia".

Fonte: UOL