EUA pressionam FAB por compra de avião americano, diz site

EUA pressionam FAB por compra de avião americano, diz site

Compra de aviões, avaliada em R$ 15 bilhões, ainda está indefinida

A disputa pela venda de 36 caças para a Força Aérea brasileira mobilizou autoridades dos EUA a pressionarem o comandante da FAB, Juniti Saito e o ministro da Defesa, Nelson Jobim, a intervirem pela escolha de um modelo americano, revelam documentos divulgados pelo site WikiLeaks neste domingo (5).

Ainda indefinida no governo Lula, a compra dos aviões deve ser decidida no governo de Dilma Rousseff, que retoma esta semana a discussão com Jobim. Está em jogo uma das maiores licitações já feitas pela Aeronáutica, com valor estimado em R$ 15 bilhões. O Planalto já sinalizou preferência por um modelo francês, o Rafale.

Correspondências da ministra-conselheira da embaixada americana em Brasília, Lisa Kubiske, desde maio de 2009 com Washington mostram pedidos para que o país intensifique o lobby com autoridades brasileiras a favor de caças americanos.

?A embaixada recomenda o seguinte, como próximos passos a fim de reforçar nossos argumentos no que tange à transferência de tecnologia: uma carta do presidente Obama ao presidente Lula defendendo a causa; uma carta da secretária [Hillary] Clinton ao ministro da Defesa Jobim afirmando que o governo americano aprovou a transferência de toda a tecnologia apropriada?, diz um dos trechos.

A ministra-conselheira também pede que se tente influenciar senadores que visitariam os EUA em junho. "Concentrando as atenções em senadores importantes, temos a oportunidade de conquistar o apoio de indivíduos que podem influenciar os responsáveis pela decisão e garantir que as pessoas que terão de aprovar os dispêndios do governo brasileiro compreendam que o F-18 lhes oferece mais valor" e diz a campanha francesa pela venda dos caças Rafale usa ?argumentos enganosos, senão fraudulentos?.

Os telegramas fazem parte dos cerca de 251 mil documentos das embaixadas e consulados dos EUA que o site vem publicando há uma semana.

Preferência

Em outra correspondência, é relatada uma conversa do comandante da FAB, Juniti Saito, com o ex-embaixador americano Clifford Sobel, indicando que o brasileiro preferia o modelo americano ao francês. "Voamos no equipamento americano há décadas e sabemos que é confiável e que sua manutenção é simples e oferece bom custo/benefício por meio do sistema de vendas militares externas?, diz a declaração atribuída a Saito.

Saito também teria pedido uma carta dos EUA se comprometendo com a transferência de tecnologia com o Brasil. Em telegrama assinado pelo ex-embaixador, ele relata ter dito ao comandante que a carta estava em fase final de aprovação. "Aliviado, Saito disse que precisava ter a carta em mãos no dia 6 de agosto. [...] Essa foi a expressão mais clara de que Saito pretende recomendar o F-18", disse.

Obstáculo

Em outra correspondência da ministra-conselheira Lisa Kubiske, ela diz que a embaixada vai influenciar Jobim para convencer o presidente Lula da compra dos caças americanos. ?Permanece, entretanto, o formidável obstáculo de convencer Lula. Nosso objetivo agora deve ser garantir que Jobim tenha argumentos reforçados ao máximo possível para ir a Lula em janeiro?. Para ela, o "alto preço" do Rafale levariam o modelo americano a ser a "opção óbvia", mas, afirma, Lula ainda ?reluta em comprar um avião dos EUA?.

Patriota

Até mesmo o futuro ministro das Relações Exteriores do governo Dilma, Antonio Patriota, teria sido alvo do lobby americano, segundo os documentos. Em uma reunião com o atual embaixador dos EUA, Thomas Shannon, sobre o assunto, Patriota teria dito que a ?a decisão [da compra] ainda não estava tomada?.

Patriota também teria comentado na reunião, segundo as mensagens, que o Brasil teria desconfianças sobre o programa nuclear do Irã, mas que continuaria tentando uma saída diplomática. ?A desconfiança é grande [sobre o Irã]. Nós nunca sabemos o quão sinceros, mas vamos continuar tentando?, disse o brasileiro segundo relato do embaixador.

Fonte: g1, www.g1.com.br