Ex-detento de Guantánamo é condenado à perpétua

Ex-detento de Guantánamo é condenado à perpétua

Ahmed Khalfan Ghailani foi detido em 2004 no Paquistão

O primeiro detido na Baía de Guantánamo a ser julgado por um tribunal civil foi nesta terça-feira condenado à prisão perpétua nos Estados Unidos.

O tanzaniano Ahmed Khalfan Ghailani, 36 anos, foi considerado culpado de conspiração para danificar ou destruir instalações americanas em relação aos atentados a bomba cometidos em 1998 nas embaixadas americanas em Nairóbi (Quênia) e em Dar Es Salaam (Tanzânia).

Os ataques, atribuídos à rede Al-Qaeda, deixaram um total de 224 mortos e milhares de feridos.

Ghailani foi inocentado das acusações de assassinato e de conspiração para assassinato.

"Interrogatório intensificado"

O caso de Ghailani foi o primeiro teste do governo de Barack Obama em sua decisão de julgar ex-detentos da base de Guantánamo - localizada em Cuba - em tribunais civis, em vez de militares.

Ghailani foi detido no Paquistão em 2004. Depois, foi levado a instalações secretas da CIA (serviço de inteligência americano) e, em 2006, para Guantánamo.

Na base cubana, ele foi submetido ao que o governo dos Estados Unidos chama de "interrogatório intensificado" pela CIA. Os advogados de defesa alegam que o tanzaniano foi torturado.

No ano passado, ele foi transferido para Nova York.

Os promotores tiveram um revés quando um juiz federal de Nova York impediu a participação de uma testemunha-chave de acusação, alegando que ela havia sido citada pelo réu quando ele estava "sob pressão".

Acredita-se que a testemunha, Hussein Abebe, fosse confirmar no tribunal que vendeu a Ghailani o explosivo usado no ataque a bomba à embaixada americana na Tanzânia.

Em 2001, outras quatro pessoas foram condenadas à prisão perpétua por participação nos atentados de 1998.

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Fonte: MSN, www.msn.com.br