Ex-mulher diz que Mandela segue doente e sem conseguir conversar

Ex-mulher diz que Mandela segue doente e sem conseguir conversar

Ex-presidente sul-africano recebe tratamento em sua casa. Ele tem tubos ligados aos pulmões, segundo Winnie Mandela.

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela permanece ?bastante doente? e está incapaz de falar, utilizando expressões faciais para se comunicar enquanto recebe intenso tratamento médico em sua casa, afirmou sua ex-mulher Winnie Mandela ao jornal ?The Sunday Independent?.

Winnie disse que o líder de 95 anos não está ligado a aparelhos de suporte, mas não consegue mais andar ?devido aos tubos que estão em sua boca para limpar os fluidos dos pulmões?.

?Ele não consegue articular nada?, afirmou Winnie. ?Ele se comunica com sua face. Mas os médicos esperam que ele possa recuperar sua voz.?

Mandela recebeu alta do hospital no dia 1º de setembro após um longo período de internação e desde então está em suas casa em Johanesburgo.

Mais de 20 médicos participam do tratamento. Ele se curou de uma pneumonia persistente, mas seus pulmões seguem sensíveis.

?É tão difícil para ele. Ele permanece muito sensível a qualquer germe, então precisa ser mantido literalmente em um ambiente estéril. O quarto é como uma ala de UTI.?

Nelson Mandelax, herói da luta contra o apartheid, foi hospitalizado em caráter de urgência em 8 de junho por uma infecção pulmonar e desde 23 de junho se encontra em estado "crítico". Nos últimos dois meses, a saúde do prêmio Nobel da Paz tem sido motivo de grande preocupação na África do Sul.

Madiba se tornou o primeiro presidente da África do Sul eleito democraticamente em eleições livres de restrições raciais em 1994, que marcaram o fim do regime do apartheid.

Ele passou 27 anos na prisão durante o regime da minoria branca, incluindo 18 anos na notória colônia penal da Ilha Robben. Sua infecção pulmonar remonta ao tempo em que era prisioneiro na ilha varrida pelo vento, onde ele e outros prisioneiros eram forçados a trabalhar em uma pedreira de calcário.

Fonte: G1