Fotógrafo faz imagens raras de cidade mais povoada do mundo

Kowloon Walled, em Hong Kong, tinha 33 mil pessoas vivendo em 0,3 km²

Imagens registradas pelo fotógrafo canadense Greg Girard, em colaboração com Ian Lambot, dão uma visão rara da cidade de Kowloon Walled, que já foi o lugar mais densamente povoado do mundo, com 33 mil pessoas vivendo em apenas alguns quarteirões.



Conforme o site ?Daily Mail?, os dois passaram cinco anos se familiarizando com a cidade, que pertencia a Hong Kong, antes de ela ser demolida em 1992. ?Eu passei cinco anos fotografando e me familiarizando com a cidade, seus moradores e como ela foi organizada. A cidade, tão aparentemente comprometida e anárquica em sua superfície, funcionou bem em grande parte?, disse Girard em seu site.

Kowloon Walled era um fenômeno com 33 mil pessoas vivendo em mais de 300 prédios interligados em 0,3 quilômetros quadrados, segundo o ?Daily Mail?. Os telhados dos prédios eram o único lugar que se podia respirar ar fresco e escapar da claustrofobia dos apartamentos sem janelas.

A cidade serviu como um posto de vigia para os militares chineses antes de ser tomada pelos britânicos. Durante a ocupação japonesa em Hong Kong, na Segunda Guerra Mundial, partes da cidade foram demolidas para fornecer materiais para a construção de um aeroporto próximo ao local, conforme o ?Daily Mail?. Nessa época, a população aumentou dramaticamente, com inúmeras pessoas se mudando para lá.



A cidade se tornou um paraíso para os criminosos e usuários de drogas. No início dos anos 1980, havia muitos bordéis, cassinos e tráfico de cocaína. A cidade se tornou foco de uma crise diplomática entre a Grã-Bretanha e a China, que se recusaram a assumir a responsabilidade do local.

Ao longo do tempo, as autoridades britânicas e chinesas descobriram que a cidade estava se tornando intolerável, apesar da diminuição das taxas de criminalidade, conforme o ?Daily Mail?. A qualidade de vida e as condições sanitárias estavam muito atrás do resto de Hong Kong. Por isso, foram feitos planos para demolir os prédios.

Segundo o jornal britânico, muitos moradores protestaram e disseram que estavam felizes vivendo nas condições precárias, mas o governo gastou 2,7 bilhões de dólares de Hong Kong na remuneração e nas evacuações iniciados em 1991, que foram concluídas em 1992.

(Fotos: Reprodução / Mail Online)

Fonte: G1