França cancela 50% dos voos no aeroporto Charles de Gaulle

França cancela 50% dos voos no aeroporto Charles de Gaulle

Autoridades solicitaram cancelamento por falta de líquido descongelante.

A Direção Geral da Aviação Civil (DGAC) francesa determinou na noite desta quinta-feira (23) que as companhias aéreas anulem 50% de seus voos para o aeroporto Roissy-Charles de Gaulle até às 13h locais (10h de Brasília) desta sexta-feira, véspera do Natal, devido ao gelo e à falta de produto para descongelar o equipamento.

Em seu comunicado, a DGAC assinala que o serviço "Meteo-France prevê temperaturas negativas na manhã de sexta-feira, dia 24 de dezembro, e o aeroporto Roissy-Charles de Gaulle tem dificuldades para fornecer o líquido contra o congelamento dos aviões".

A DGAC já havia pedido, preventivamente, o cancelamento de 20% dos voos para Roissy nesta quinta-feira.

O serviço de Aeroportos de Paris (ADP) previu que ao menos 60 voos que partem de Roissy na noite desta quinta-feira e madrugada de sexta sofrerão atraso nesta véspera de Natal.

Passageiros dormem em terminal ao esperar por voos no aeroporto Charles de Gaulle (Foto: Jacques Brinon/AP)

Os voos sofrem "atrasos de várias horas devido ao descongelamento mais lento, longo e difícil em razão da neve muito pegajosa e pesada", disse uma porta-voz da ADP. "Não descartamos o risco de que alguns passageiros passem a noite no aeroporto, mas faremos todo o possível para que um máximo de voos partam nas próximas horas. Temos consciência do que significa a véspera do Natal, de que as pessoas querem se reunir com suas famílias."

Ao menos 2 mil pessoas estavam esperando na madrugada desta sexta-feira no aeroporto devido à anulação dos voos. A Defesa Civil instalou camas de campanha, disse à agência de notícias France Presse a ministra francesa dos Transportes e Ecologia, Nathalie Kosciusko-Morizet. "Houve 58 voos anulados durante a tarde, principalmente devido ao descongelamento" dos aviões, que agora leva mais do dobro do tempo previsto devido à neve pesada e pegajosa.

Estes "58 voos representam de 6 mil a 7 mil passageiros", dos quais 2 mil "ainda estão nos terminais", destacou Kosciusko-Morizet após visitar o aeroporto de Roissy, o terceiro da Europa.

"Uma avaliação geral" da situação aponta que dos 6 a 7 mil passageiros que não conseguiram voar nesta quinta-feira, ao menos a metade também não conseguirá voar amanhã", previu a ministra dos Transportes.

Fonte: g1, www.g1.com.br