Garota arranca a cabeça de seu próprio gato, tira fotos do ato brutal e publica em sua rede social

Garota arranca a cabeça de seu próprio gato, tira fotos do ato brutal e publica em sua rede social

Li Pingping decapitou um gato em seu banheiro duas semanas após comprá-lo em uma loja de animais

Uma jovem, que matou e desmembrou um gatinho e postou as imagens sangrentas na internet, irritou muitos usuários na China, um país que tem assistido a uma série de casos de abuso de animais nos últimos anos.

Li Pingping, uma ex-consultora de marketing, na província de Guangdong, sul da China, decapitou um gato em seu banheiro duas semanas após comprá-lo em uma loja de animais. Li postou fotos horríveis do gato desmembrado horas depois na Weibo, a maior rede social da China.

Como as fotos se tornaram virais, os internautas chineses desencadearam uma enxurrada de comentários condenando o ato brutal, com muitos chamando a mulher de "louca" e "perturbada".

Em meio aos ataques verbais, a mulher desafiou o público, dizendo que havia descontado sua raiva no gato, alegando que sua família tinha sido destruída por um caso extra-conjugal de seu pai. Ela disse que as pessoas devem "recuar" e parar de julgá-la, alimentando ainda mais o ressentimento. Li depois apagou todos as fotos.

Como a pressão do público tornando-se gigantesca, Li pediu desculpas em uma carta aberta, em que ela disse que abusou do gato sob a influência do álcool e do infortúnio doméstico, e que ela viveu com medo e culpa ao longo dos últimos dias. A carta gerou mais de 60.000 comentários.

Um usuário disse que a mulher pediu desculpas, simplesmente porque ela estava com medo de críticas públicas, ao invés de pensar que o que ela fez foi errado. "O que você fez te desqualifica como um ser humano", escreveu outro usuário.

Alguns pareciam ser mais tolerantes, dizendo que, agora que ela pediu desculpas, eles iriam parar de criticá-la.

Histórias de abuso de animais têm dado manchetes na China nos últimos anos, trazendo uma onda de fúria pública. Sun Daqiang, professor de psicologia na Universidade de Pequim, disse que a razão por trás de abuso de animais é que muitas pessoas não conseguem encontrar um bom caminho para canalizar suas emoções reprimidas, e tendem a liberar seus sentimentos atacando as coisas que parecem ser mais fracas do que seres humanos, tais como cães e gatos.

Sun acrescentou que é necessário investigar os fatores psicológicos que contribuem para a brutalidade de tais atos e estes devem ser erradicados.

Luo Guo"an, pesquisador da Academia Guangxi de Ciências Sociais, disse que o público deve reforçar a sua consciência de proteção aos animais, como também levar em conta que suas vidas também são preciosas. "Os meios de comunicação devem intensificar os esforços para promover o bem-estar dos animais", disse Luo.

Fonte: WantChinaTimes