Gonorreia pode ficar sem tratamento no futuro, diz relatório

Doença começa a ficar resistente a antibióticos

Um relatório divulgado recentemente  mostra que o número de casos de gonorreia resistente a antibióticos no mundo aumentou mais de 400% entre 2013 e 2014. De acordo com o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), que fica nos Estados Unidos, essa elevação alarmante faz especialistas acreditarem que, em breve, não haverá mais alternativas para tratar a doença sexualmente transmissível (DST).

A gonorreia é uma das DSTs mais comuns. A infecção é causada pela bactériaNeisseria gonorrhoeae. No passado, antes da descoberta da penicilina, era considerada uma verdadeira peste, já que pode afetar outros órgãos, como garganta, olhos e articulações. Para piorar, os sintomas iniciais, como secreção purulenta, dores abdominais e ardor ao urinar, podem não aparecer em muitos pacientes, especialmente mulheres. A infecção pode evoluir para a doença inflamatória pélvica, que, por sua vez, pode gerar esterilidade ou até levar à morte. Além disso, a infecção  pode ser transmitida de mãe para filho.

Image title

Há muito tempo, a penicilina e outros antibióticos deixaram de fazer efeito contra aNeisseria. O remédio mais usado atualmente é a azitromicina, e os novos casos de resistência demonstram que essa opção também poderá se tornar ineficaz, deixando os pacientes sem opção, segundo as informações do CDC, noticiadas pelo site Medical Daily.

Nos Estados Unidos, estima-se que 800 mil pessoas tenham gonorreia a cada ano. Apesar disso, só metade recebe o diagnóstico, porque certos pacientes não apresentam sintomas, ou não fazem exames. A melhor maneira de se prevenir é usar camisinha em todas as relações sexuais, além de procurar o médico sempre que algum sinal diferente aparece, como corrimentos ou secreções.


Fonte: Uol