Governo da Colômbia e Farc iniciam processo de paz na Noruega

Partes lançaram declaração conjunta após reunião fechada em Oslo.

As autoridades norueguesas anunciaram nesta quinta-feira (18) que o governo da Colômbia e a guerrilha das Farc constituíram uma mesa de diálogo para tentar atingir a paz e que concordaram em "agir em conjunto" para chegar a um acordo "abrangente" e encerrar quase cinco séculos de conflito no país.

O anúncio foi feito em Hurdal, próximo à capital norueguesa, Oslo, na presença de negociadores das duas partes.


Governo da Colômbia e Farc iniciam processo de paz na Noruega

O negociador-chefe do governo colombiano, o ex-vice-presidente Humberto de la Calle, convidou a guerrilha a realizar um "esforço mútuo" para acabar com o conflito. Ele também elogiou a guerrilha por ter cumprido "rigorosamente" sua parte no acordo até agora e disse que espera alcançar acordos "eficazes", com "respeito e discrição".

O diálogo vai continuar com reuniões em Havana, capital de Cuba, em 15 de novembro, para tratar do tema do desenvolvimento agrário, segundo declaração conjunta das partes, lida por representantes de Cuba e Noruega, países mediadores. Dez dias antes, reuniões preparatórias vão começar na ilha.

Processo histórico

Uma histórica reunião a portas fechadas marcou, na véspera, o início do processo de paz.

O presidente colombiano Juan Manuel Santos espera que, após dez anos de ofensiva militar patrocinada pelos Estados Unidos, as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia estejam suficientemente enfraquecidas a ponto de buscarem a paz com mais seriedade do que em três tentativas anteriores.

Santos, ex-ministro da Defesa, anunciou em setembro que os dois lados negociaram em Cuba os termos para uma pauta preliminar, que previa o início das discussões em Oslo e sua posterior transferência para Havana.

Os cinco itens da pauta incluem assuntos delicados, como o narcotráfico, os direitos das vítimas do conflito, a propriedade fundiária, a participação política das Farc e o fim da guerra civil.

Apesar das negociações, militares e rebeldes mantêm seus ataques, e as Farc recentemente atingiram instalações de energia e mineração. Santos rejeitou uma oferta de cessar-fogo durante o processo de paz.

Além de ser uma vitória pessoal para o presidente, o eventual sucesso das negociações deve aumentar a presença da Colômbia nas carteiras dos investidores, após o país passar anos sendo considerado um dos mais perigosos lugares do mundo para visitar ou fazer negócios.

Em 2002, por exemplo, o investimento estrangeiro direto na Colômbia foi de apenas US$ 2 bilhões, enquanto neste ano deve alcançar os US$ 17 bilhões.

Mas a eventual paz com a guerrilha marxista das Farc não significaria de forma alguma o fim da violência na Colômbia, onde narcotraficantes e outros criminosos comuns - muitos deles oriundos da desmobilização de grupos paramilitares de direita - continuam operando.

Embora a maioria dos colombianos aprove as negociações, pesquisas mostram que mais de metade se oporia a um acordo que permita a participação de líderes das Farc na política, ou que anistie crimes cometidos durante o conflito.

Noruega e Cuba concordaram em atuar como países garantes das negociações, e representantes de Venezuela e Chile estarão presentes como observadores.

Fonte: G1