Governo da Venezuela remove as credenciais de jornalistas da rede CNN

Maduro acusou ainda o canal a cabo americano de fazer parte de uma campanha para derrubá-lo.

O governo da Venezuela removeu nesta sexta-feira, 21, as credenciais de quatro jornalistas da rede de TV CNN e sua afiliada em espanhol. Na quinta-feira, o presidente Nicolás Maduro já tinha ameaçado tirar do ar o canal, caso ele não "retificasse" sua cobertura sobre os protestos de rua contra o governo. Maduro acusou ainda o canal a cabo americano de fazer parte de uma campanha para derrubá-lo.

Os quatro jornalistas foram informados de que teriam suas permissões para trabalhar no país canceladas e teriam de comprar passagens aéreas para deixar a Venezuela. Entre eles está a conhecida âncora Patrícia Janot, que apresentou um debate entre estudantes antichavistas e partidários do chavismo, exibido pelo canal.

"Eles (a CNN) querem mostrar que na Venezuela existe uma guerra civil. Na Venezuela, existe um povo trabalhando, estudando e construindo a pátria", disse Maduro em discurso na quinta-feita na TV estatal venezuelana. "Já basta de propaganda de guerra. Se não retificam a propraganda de guerra, que vão embora. Fora"

Por meio de nota, o canal lamentou a decisão do governo e ressaltou a disposição em dialogar com as autoridades venezuelanas. Dois jornalistas do canal foram convidados a participar de uma entrevista coletiva no fim da noite com Maduro. "A CNN em Espanhol tem informado de maneira isenta os dois lados da tensa situação que vive a Venezuela, ainda que com acesso restrito a fontes do governo", diz o texto. "Esperamos que o governo reconsidere sua decisão. Enquanto isso seguimos informando de maneira justa e balanceada, como é característica de nossa empresa jornalística."

Na semana passada, o Conselho Nacional de Telecomunicações ordenou a retirada do ar nas operadoras de TV a cabo do canal de notícias colombiano NTN24. Desde a venda da Globovisión - o último canal de notícias crítico ao chavismo - a um empresário simpático ao governo, os venezuelanos têm acesso apenas a canais de TV estatais, ou com um tom menos crítico ao governo. Esse espaço foi ocupado pela CNN em Espanhol e o NTN24, preferidos por parte da população cética em relação ao chavismo.

Fonte: oestadão