Grupos judaicos criticam sermão de pregador do papa

Grupos judaicos criticam sermão de pregador do papa

Grupos judaicos e vítimas de abusos sexuais por padres católicos condenaram sermão do pregador-chefe da Casa Pontifícia

Grupos judaicos e vítimas de abusos sexuais por padres católicos condenaram sermão do pregador-chefe da Casa Pontifícia em que ele compara críticas ao papa a antissemitismo.

Um porta-voz do grupo americano Survivors Network of those Abused by Priests (Rede de Sobreviventes que sofreram Abuso por Padres - Snap, na sigla em inglês) disse que as declarações do padre Raniero Cantalamessa são "moralmente erradas".

"Eles estão sentados no palácio papal, sentem um pequeno desconforto e vão comparar (a experiência) a ser preso, colocado em fila e enviado em vagões para transportar gado até Auschwitz?", disse Peter Isely.

O chefe do Conselho Central Alemão de Judeus, Stephan Kramer, descreveu as declarações do pregador-chefe como "insolentes".

Segundo o jornal americano The New York Times, o rabino-chefe de Roma, Riccardo Di Segni, que recebeu a visita do papa Bento 16 na sinagoga de Roma em janeiro, afirmou: "Com um mínimo de ironia, eu digo que hoje é Sexta-Feira Santa, quando eles rezam para que o Senhor ilumine nossos corações para que reconheçamos Jesus", em uma referência à tradição católica de pedir a conversão dos judeus. "Nós também oramos para que o Senhor ilumine os (corações) deles."

Fonte: MSN Notícias