Guatemala condena militar a 6 mil anos de prisão por massacre

Pimentel é o quinto militar condenado pelo massacre de Dos Erres.

A Justiça da Guatemala condenou na segunda-feira o ex-militar Pedro Pimentel a 6.060 anos de prisão por sua participação no massacre de 201 camponeses. O massacre ocorreu em 7 de dezembro de 1982 na região de Dos Erres, em Petén, no Norte do país. A juíza Irma Valdez disse que as provas apresentadas pelo Ministério Público e os depoimentos das testemunhas afastaram as dúvidas sobre o envolvimento de Pimentel no crime.

O caso é um dos 660 massacres registrados pela Comissão do Esclarecimento Histórico (CEH) cometidos na Guatemala durante o conflito armado (1960-1996). No período, mais de 190 mil pessoas morreram ou desapareceram na região.

Pimentel é o quinto militar condenado pelo massacre de Dos Erres. Ele foi condenado a 30 anos de prisão por cada um dos 201 assassinatos e a mais 30 anos pelos crimes contra a humanidade, totalizando 6.060 anos de cadeia. Porém, o Código Penal da Guatemala determina pena máxima de 50 anos de prisão.

A decisão contra Pimentel foi definida por unanimidade. Horas antes do veredicto, o militar da reserva foi extraditado dos Estados Unidos ? onde estava desde julho de 2011. Ele negou envolvimento no massacre. "Eu vim até aqui para negar minha participação", disse. O advogado dele, Manuel Lima, pediu a absolvição, alegando falhas nas provas materiais.

Pimentel é o quinto ex-militar condenado por envolvimento no massacre, ocorrido durante o governo do general José Efraín Ríos Montt (1982-1983). Há um processo judicial em curso contra Ríos Montt por genocídio. Ele é mantido em prisão domiciliar desde janeiro deste ano.

Fonte: O Dia Online