Homem tenta se recuperar após agressão e ter crânio deformado

Homem tenta se recuperar após agressão e ter crânio deformado

A mãe contou do seu orgulho pela determinação de seu filho para se recuperar

Reece Roberts ficou com "buracos" de ambos os lados da testa e agora vai precisar de placas de metal instaladas em seu crânio.

A mãe contou do seu orgulho pela determinação de seu filho para se recuperar, depois que ele foi deixado com essas lesões chocantes após uma agressão em uma noite de diversão em baladas.

O estudante universitário foi submetido a um tratamento de emergência para reduzir o acúmulo de sangue em seu cérebro depois de ter sido encontrado inconsciente fora de um bar em Blackpool, Reino Unido.

Ele foi inicialmente levado para o Blackpool Victoria Hospital, após o incidente, mas depois de sofrer um ataque grave, ele foi transferido para a Royal Preston Hospital para tratamento especializado. Depois de quatro meses, ainda está em uma Unidade de Neuro-Reabilitação onde sua família está mantendo uma vigília.

Infelizmente Reece - que tem Síndrome de Sotos, conhecida como gigantismo cerebral, o que significa que ele é mais alto e mais magro do que a maioria das pessoas -, precisará de mais uma cirurgia para encaixar placas de metal em seu crânio.

"Ele não pode andar, mas o hospital tem dado mais estabilidade a ele e esperamos que esta operação ajude a sua recuperação ainda mais", disse a mãe de Reece. "Esperamos que ele seja capaz de andar novamente no futuro, mas ninguém pode nos dizer com certeza. Ter esta operação o mais rápido possível é fundamental".

A mãe do jovem, Millissa Roberts, de 42 anos, agora está planejando mudar de casa para encontrar um lar mais adequado para suas necessidades. Ela acrescentou: "Eu realmente não posso te dizer o quanto isso mudou nossas vidas. Porém, não importa o quão difícil é para nós, a sua família, será um milhão de vezes mais difícil para Reece?.

O agressor, Thomas Campo, de 26 anos foi acusado por ferir com intenção. Ele tem audiência marcada na corte, em 4 de março, para ser julgado.

Fonte: Jornal Ciência