Israel aceita cessar-fogo, contudo os militantes palestinos mantêm os tiros

Apesar disso, militantes palestinos lançaram foguetes contra Israel nesta terça-feira (15)

Israel aceitou a proposta do Egito para um cessar-fogo na faixa de Gaza após uma semana de ofensiva aérea que já deixou dezenas de palestinos mortos.

Apesar disso, militantes palestinos lançaram foguetes contra Israel nesta terça-feira (15). O líder do Hamas disse que o grupo ainda não decidiu se aceita o cessar-fogo.

Pelos termos do plano anunciado pelo Egito --cujo governo, apoiado pelos militares, não mantém bom relacionamento com o Hamas--, a redução dos ataques estava prevista para começar às 9h (3h no horário de Brasília), com o fim das hostilidades dentro de 12 horas.

Depois das 9h foram feitos disparos contra Israel, e a TV mostrou a interceptação pelo sistema antimísseis israelense de vários projéteis sobre o porto de Ashdod. Uma fábrica foi atingida, mas os serviços de emergência informaram que ninguém ficou ferido.

Israel afirmou que suspendeu os ataques contra a faixa de Gaza, mas iria retomá-los com força se os disparos de militantes palestinos continuassem.

O governo israelense aprovou os termos da trégua, que foram rejeitados pelo braço armado do Hamas, as Brigadas Al-Qassam. No entanto, Moussa Abu Marzouk, alto dirigente do Hamas que estava no Cairo, disse que o grupo ainda não havia tomado uma decisão final.

Obama elogia proposta de cessar-fogo

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, louvou a inciativa do Egito para acabar com as hostilidades entre Israel e o Hamas e espera que o país árabe ajude a restabelecer a calma na região.

"Uma escalada maior não beneficia a ninguém, muito menos a israelenses e palestinos. Faremos tudo o que for possível para facilitar o retorno ao cessar-fogo de 2012", afirmou Obama.

"Estamos esperançosos com a atitude do Egito de fazer uma proposta para atingir esse objetivo", acrescentou o presidente em discurso durante um jantar de "iftar" na Casa Branca, a tradicional refeição com a qual os muçulmanos quebram ao entardecer o jejum diário do Ramadã.

"O povo dos EUA está muito preocupado com o que vem acontecendo lá", disse o presidente, que reconheceu que existem pontos de vista muito diferentes sobre o conflito dentro do país.

Mortos e feridos

Segundo autoridades palestinas, os ataques israelenses deixaram ao menos 192 mortos. A Organização das Nações Unidas estima que mais de três quartos das vítimas sejam civis. Cerca de 1.400 palestinos ficaram feridos.

De acordo com Israel, ao menos quatro israelenses ficaram feridos gravemente desde o início da ofensiva, mas não houve registro de mortes.

Fonte: UOL