Jovem de 15 anos diz que aceitou casar com idoso de 90 anos para salvar 12 irmãos da pobreza

Jovem de 15 anos diz que aceitou casar com idoso de 90 anos para salvar 12 irmãos da pobreza

Eu concordei em me casar com um homem velho porque eu sofria muito com a dolorosa condição de vida da minha família, disse ela.

Uma jovem saudita de 15 anos, que se casou com um homem de 90, disse que aceitou a união para livrar os 12 irmãos da pobreza. Na noite de núpcias, Shareefa Ali Shuwai se trancou no quarto, arrependida da decisão, e se recusou a consumar o casamento.

- Eu concordei em me casar com um homem velho porque eu sofria muito com a dolorosa condição de vida da minha família. Não tínhamos os elementos fundamentais para viver com dignidade. Não possuíamos nem uma casa segura e fomos privados de ir à escola. Comíamos carne só em raras ocasiões, ou quando as pessoas nos davam por caridade. Meus irmãos e irmãs não tinham brinquedos, nem nada - disse ela ao site gulfnews.com.

Shareefa vivia coma família em uma cabana de palha, perto da fronteira com o Iêmen.

- Sempre que chovia, nós sofríamos. Nosso pai nos levava para a casa dos vizinhos, para nos proteger da chuva - contou ela, em entrevista ao jornal local Al Sharq, dias depois de assinar o documento de divórcio com o marido de 90 anos.

Quando propôs casamento, o ancião ofereceu um dote de de 45 mil rials (cerca de R$ 24,3 mil) e se comprometeu ainda a arcar com os custos do casamento. Os pais concordaram dela com a proposta, apesar da diferença da idade.

A noiva passou a noite de núpcias trancada no quarto, chorando, e não permitiu que o marido entrasse para consumar o casamento. Ela só saiu com a chegada dos parentes. Eles a levaram para casa, e se negaram a entregá-la ao noivo. O homem exigiu o dinheiro de volta, mas a família já não tinha mais toda a quantia.

- A pobreza me levou a casar a minha filha com um homem muito mais velho que ela. Eu fui atraído pelo dinheiro porque a minha família precisava disso - justificou o pai.

A Comissão Saudita de Direitos Humanos cuidou do caso e promoveu o divórcio entre a menina e o homem de 90 anos.

- Queremos proteger a jovem desse casamento desequilibrado e prestar a assistência jurídica que ela possa precisar - declarou o órgão, por meio de comunicado.

Fonte: Extra