Jovem tem pele queimada de dentro pra fora após sofrer reação a medicamento

Adolescente sofre reação a medicamento contra epilepsia no dia de seu aniversário e tem pele queimada de dentro pra fora

A pele de Danika Heron começou a queimar de dentro para fora, depois de o novo medicamento para epilepsia prescrito desencadeou uma doença extremamente rara.

Ela foi atingida pela síndrome de Stevens Johnson (SJS) e TENS - Síndrome de Necrólise Epidérmica Tóxica - o que causou graves queimaduras em seus órgãos e pele. A reação fez metade de seu corpo queimar, borbulhar, crias escoriações e queda de pele. Seus lábios incharam tanto que estouraram.

A garota, de New South Wales, na Austrália, foi diagnosticada com epilepsia quando tinha 18 anos. Pouco antes de seu 19º aniversário, foram prescritos a ela os remédios Lamictal e Keppra. A intenção era que, combinados, prevenissem as crises e controlassem as convulsões.

Ela estava tomando os medicamentos diariamente, até que começou a notar que seus olhos e lábios estavam inchados. Em seguida, uma pequena erupção apareceu em seu peito, que rapidamente se espalhou ao longo de todo o seu corpo. Ela foi para um hospital em Sydney, onde os médicos inicialmente diagnosticaram erroneamente sua condição como herpes e mandaram-na de volta para casa.

Ao longo de um período de quatro dias, os sintomas de Heron ficaram progressivamente piores e sua mãe, Carmen Heron, de 43 anos, a levou para outro hospital em New South Wales. Lá, ela foi diagnosticada com sarampo e catapora antes dos testes revelarem que ela tinha SJS e TENS. Assim que descobertas, ela foi levada às pressas para um hospital, em Sydney, para realizar o tratamento.

Estas condições fazem com que grandes áreas da pele descasquem, bem como favorecem a formação de bolhas nas mucosas do corpo, principalmente na boca, olhos e vagina. Se não tratada, pode causar cegueira permanente, danos nos pulmões e morte.

Ela estava tomando os medicamentos diariamente, até que começou a notar que seus olhos e lábios estavam inchados. Em seguida, uma pequena erupção apareceu em seu peito, que rapidamente se espalhou ao longo de todo o seu corpo. Ela foi para um hospital em Sydney, onde os médicos inicialmente diagnosticaram erroneamente sua condição como herpes e mandaram-na de volta para casa.

Ao longo de um período de quatro dias, os sintomas de Heron ficaram progressivamente piores e sua mãe, Carmen Heron, de 43 anos, a levou para outro hospital em New South Wales. Lá, ela foi diagnosticada com sarampo e catapora antes dos testes revelarem que ela tinha SJS e TENS. Assim que descobertas, ela foi levada às pressas para um hospital, em Sydney, para realizar o tratamento.

Estas condições fazem com que grandes áreas da pele descasquem, bem como favorecem a formação de bolhas nas mucosas do corpo, principalmente na boca, olhos e vagina. Se não tratada, pode causar cegueira permanente, danos nos pulmões e morte.

Embora raras, SJS e TENS têm sido relatadas como efeitos colaterais dos medicamentos Lamictal e Keppra, as duas drogas receitadas. Sua condição era tão grave que até os médicos tinham receio de tocá-la. A adolescente passou quase um mês no hospital, com todo o seu corpo empolado, a boca permaneceu fechada e ela perdeu a camada superior de sua pele no rosto, peito, costas e braços. Ela lutou para respirar e teve de ser alimentada através de um tubo. A condição devastou seu corpo, queimando-a de dentro para fora.

Diariamente, era comum que ela vomitasse sangue e pele que havia se soltado das mucosas internas do corpo. Heron passou um total de três semanas e meia no hospital lutando para não morrer.

Ela disse que grande parte do seu tempo no hospital foi apagado de sua mente, mas é grata por ter conseguido escapar da morte, e está ansiosa para voltar ao normal. “Eu não me lembro muito sobre a primeira semana, eu só lembro que eu estava com muita dor, parecia que eu estava em chamas. Depois que saí do hospital meu cabelo começou a cair e as unhas dos meus dedos das mãos e dos pés também”, disse. "Eu acho que é preciso aumentar a conscientização sobre SJS e TENS, é necessário que haja mais pesquisas sobre a doença e mais treinamento para o tratamento em hospitais, pois é tão raro que aconteça, que não é fácil de diagnosticar. Eu não desejo que ninguém passe por esta condição, por isso acho que devemos fazer de tudo para ajudar”, finalizou a garota.





Clique e curta Portal Meio Norte no Facebook

Fonte: Jornal Ciência