Jovens se beijam contra protesto que tenta impedir casamento gay na França

Jovens se beijam contra protesto que tenta impedir casamento gay na França

França é conhecida pelos ideais de Liberdade, Igualdade e Fraternidade

Jovens a favor da proposta do governo francês de liberar o casamento de pessoas de mesmo sexo se beijaram em frente à torre Eiffel, em Paris, em protesto contra manifestações contrárias à medida, neste domingo (13). Mais cedo, várias centenas de milhares de pessoas se concentraram neste domingo diante da Torre Eiffel, em Paris, para protestar contra o plano do presidente François Hollande de legalizar até junho o casamento entre homossexuais e a adoção de crianças por casais do mesmo sexo.

Três colunas de manifestantes, com bandeiras rosa e azul, mostrando figuras de pai, mãe e dois filhos, convergiram para o cartão postal de Paris vindos de diferentes pontos da cidade. Muitos chegaram ao local após longas viagens de trem e ônibus das províncias.

Hollande se comprometeu a levar a lei à aprovação do Parlamento, onde os socialistas têm maioria, mas a campanha dos opositores do casamento gay vem conquistando apoio público e obrigou os deputados a adiar a votação de uma proposta que permitiria a casais de lésbicas o acesso à inseminação artificial.

O Campo de Marte, parque ao redor da Torre Eiffel, ficou lotado, mas as estimativas de comparecimento variam muito. Os organizadores afirmam ter reunido 800 mil manifestantes enquanto a polícia estimava o número em 340 mil -- um nível elevado de participação mesmo para a França, país onde os protestos de massa são frequentes.

"Ninguém esperava por isto há dois ou três meses", disse Frigide Barjot, uma talentosa comediante que lidera o movimento nacional contra o casamento gay. No comício, ela leu uma carta a Hollande na qual pedia que retire o projeto de lei da pauta e amplie o debate público sobre a questão.

Fortemente apoiada pela hierarquia da Igreja Católica, Barjot e grupos que trabalham com ela mobilizaram para o protesto famílias de frequentadoras da igreja e pessoas do campo conservador, bem como muçulmanos, evangélicos e até mesmo homossexuais que se opõem ao casamento entre pessoas do mesmo sexo.

O gabinete de Hollande informou que o comparecimento na manifestação foi "substancial", mas não iria mudar a sua determinação de efetuar a reforma.

Fonte: UOL