Malásia admite que mistério sobre voo MH370 poderá nunca ser solucionado

Chefe de polícia diz que, apesar de intensas buscas e investigações de passageiros e tripulação, causas da queda talvez não sejam conhecidas

A Malásia admitiu que as razões que levaram ao desaparecimento do avião da Malaysia Airlines talvez nunca venham a ser conhecidas. O voo MH370 desapareceu no dia 8 de março, quando ia de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim, na China, com 239 pessoas a bordo.

Segundo o chefe de polícia malaio Khalid Abu Bakar, a investigação poderá "continuar e continuar". "Temos que esclarecer cada coisinha. Ao final das investigações, talvez não venhamos a conhecer as verdadeiras causas [do acidente]. Talvez nem venhamos a saber as razões dele", afirmou.

Sem indícios

Bakar acrescentou que as investigações sobre todos os passageiros não apontaram indícios de que possa ter havido um sequestro ou sabotagem, ou que alguém a bordo tivesse problemas psicológicos ou pessoais.

De acordo com o chefe de polícia, foram realizadas mais de 170 entrevistas com familiares dos pilotos e da tripulação. Ele disse, ainda, que a comida servida no avião e o carregamento da aeronave estão sendo investigados.

A área de buscas pela aeronave no Oceano Índico é de 221 mil km², mas a névoa e tempestades marítimas estariam reduzindo a visibilidade e dificultando os trabalhos, segundo a agência conjunta de coordenação de operações de buscas (Jacc, na sigla em inglês), criada na terça-feira (1°).

Além de aviões, navios e submarinos de diferentes países, um jato particular do cineasta Peter Jackson, diretor da série "O senhor dos anéis", está sendo usado nas buscas.

Transcrição

Na terça-feira, autoridades da Malásia divulgaram a transcrição completa das comunicações entre o voo MH370 e controladores de tráfego aéreo em Kuala Lumpur. Segundo as fontes, não havia nenhuma indicação de algo anormal, ainda que as últimas palavras exatas recebidas pelos controladores de tráfego aéreo tenham sido diferentes das que haviam sido divulgadas anteriormente.

Representantes do governo da Malásia disseram que, baseando-se nas imagens de satélite coletadas, o voo MH370 caiu no sul do Oceano Índico.

Parentes das pessoas que estavam a bordo da aeronave vêm exigindo provas e se queixam da falta de informações.

Fonte: G1