Mandela permanece em estado crítico mas estável, diz presidente

Mandela permanece em estado crítico mas estável, diz presidente

Presidente sul-africano Jacob Zuma fez pronunciamento neste sábado (29). Obama, que está no país, disse que não visitará Mandela no hospital.

O ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, de 94 anos, permanece em estado "crítico mas estável", afirmou neste sábado (29) o presidente do país, Jacob Zuma, que espera que seu ilustre predecessor possa voltar para casa em breve.

"Permanece (em estado) crítico mas estável, portanto nada mudou. Mas esperamos que melhore. Esperamos que saia muito em breve do hospital", declarou Zuma em uma entrevista coletiva com o presidente americano Barack Obama em Pretória.

Na mesma entrevista, Obama afirmou que a "coragem moral" de Nelson Mandela tem sido uma fonte de inspiração. "O triunfo de Nelson Mandela e desta nação fala a algo muito profundo no espírito humano", completou Obama, que não visitará o ícone da luta contra o apartheid no hospital , e que irá se reunir com familiares do ex-presidente.

O último presidente branco da África do Sul, Frederik de Klerk, anunciou neste sábado a suspensão de uma viagem a Europa para retornar ao país, em consequência do estado de saúde de Mandela, que está internado há três semanas por uma grave infecção pulmonar.

O presidente americano, que está em viagem pelo continente africano, declarou na sexta-feira que não precisava de uma foto com o símbolo mundial da liberdade e perdão. Mas não havia descartado uma visita, deixando a possibilidade nas mãos da família de Mandela.

Obama se reuniu com Mandela em 2005 quando era senador e, desde então, não se encontraram novamente em consequência do agravamento do estadp de saúde de Mandela. No entanto, conversaram diversas vezes por telefone.

Ao mesmo tempo, as demonstrações de afeto pelo pai da nação sul-africana prosseguiam nas imediações do hospital. Em meio a cantos, várias pessoas dançavam e exibiam cartazes com frases como "Nosso coração está contigo" e "Que Deus te abençoe Tata" (pai).

Durante a mesma entrevista, Obama afirmou que não era o momento oportuno para viajar ao Quênia, já que o país "ainda está resolvendo alguns assuntos com a comunidade internacional". A Corte Penal Internacional pretende julgar o presidente do país, eleito em março, Uhuru Kenyatta.

O presidente americano pretende visitar o bairro de Soweto, em Johannesburgo, para discursar aos estudantes neste local emblemático da resistência ao apartheid.

Obama também visitará Robben Island, onde Mandela passou 18 de seus 27 anos de detenção.

Fonte: G1