Menina está livre de leucemia após ser tratada com vírus da AIDs

Menina está livre de leucemia após ser tratada com vírus da AIDs

Emma Whitehead submeteu-se ao tratamento de risco no Hospital Infantil da Filadélfia. Teve reações agressivas, ficou inconsciente e quase morreu.

Até que ponto a ciência proporciona momentos de alegria e sensação de milagre na vida das pessoas? O caso de Emma Whitehead é uma boa resposta para esta questão. A menina, de 8 anos, foi diagnosticada com leucemia linfoblástica aguda em 2010, submeteu-se a todos os tratamentos, quimioterapia, perdeu o cabelo e estava chegando ao estado terminal.

Os pais, já desesperados e procurando qualquer outra solução, resolveram tentar um tratamento polêmico: em abril de 2012, Emma se juntou a um grupo de 12 pessoas no Hospital Infantil da Filaldélfia e teve o vírus da AIDs injetado em seu organismo.

As células T, que ajudam na produção de anticorpos no organismo, foram retiradas do corpo de Emma. Então foi injetado o vírus desativado de HIV, que, segundo os médicos, funcionam melhor com este tipo de célula. Após isso, as células T foram colocadas de volta no corpo da menina. O método é, inclusive, a esperança de substituir a necessidade de quimioterapia e transplantes de medula óssea algum dia.

Outra criança que participou do processo experimental melhorou, mas depois teve uma recaída. Em dois adultos, o tratamento não funcionou. Emma também teve reações agressivas: febre de 40,5 graus, ficou inconsciente e irreconhecível de tão inchada. Precisou respirar por aparelhos e quase morreu. Mas, de acordo com o Dr. Carl June, à frente das pesquisas na universidade americana, esses sintomas são a comprovação de que o tratamento funcionou.

"Emily permanece saudável e não tem câncer 1 ano depois de ter recebido linfócitos T geneticamente modificados, que permitiram se concentrar em um objetivo concreto presente neste tipo de leucemia", disse o médico através de comunicado oficial do centro de estudos.

"Isso se chama Síndrome da Liberação de Citocinas e se refere aos produtos químicos que são expelidos das células do sistema imunológico quando ativadas. O que gera os problemas e pode afetar os pulmões e causar quedas perigosas na pressão arterial. Foi isso que fez a família de Emma achar que ela estava morrendo", explicou June ao jornal "New York Times".

Só pode-se dizer que uma pessoa sobrevive ao câncer quando vive há cinco anos. Mas Emma, livre há um ano, tenta levar uma vida normal, vai a escola e já sai para brincar com os amigos. Na página do Facebook "Prayers for Emily (Emma) Whitehead" é possível acompanhar os passos da menina.







Fonte: marie claire