MH-370: Sinais captados no Índico são "animadores", revela equipe de buscas

Frequência detectada por navio chinês no sábado geralmente é emitida por caixas-pretas

A equipe australiana que coordena os esforços de busca pelo avião desaparecido da Malaysia Airlines afirmou que os sinais de pulso captados no oceano Índico são pistas "importantes e animadoras".

O marechal-chefe-do-ar Angus Houston confirmou que o navio chinês Haixun 01 detectou dois sinais sonoros no sábado (5), mas ponderou que até agora não há evidências de que estejam ligados ao voo MH-370, que desaparecu no dia 8 de março com 239 pessoas a bordo.

O segundo sinal, captado a dois km de distância do primeiro, teria durado cerca de 90 segundos, acrescentou o marechal.

? Nós estamos trabalhando em um oceano enorme e em uma área de buscas também muito grande. E desde que o avião desapareceu tivemos muito poucas pistas que nos permitiram reduzir esta área de buscas.

Ainda segundo ele, os navios HMS Echo, da Grã-Bretanha, e o australiano Ocean Shield, ambos equipados com localizadores de caixas-pretas de alta tecnologia, além de aviões australianos, estão sendo deslocados para a área onde a embarcação detectou os sinais no sábado.

Ainda segundo ele, o Ocean Shield também estaria investigando um outro sinal que teria identificado em sua localização atual, a cerca de 300 milhas náuticas ao norte de onde o chinês Haixun 01 está posicionado.

? Eu garanto que vamos investigar a fundo todas as possíveis pistas que recebemos até agora.

Cerca de doze aviões militares e 13 navios realizam buscas neste domingo em uma área de 216 mil km² a noroeste da cidade australiana de Perth, de onde a missão está sendo coordenada.

Alta tecnologia

Segundo a agência Xinhua, o primeiro sinal captado pelo navio chinês tinha frequência de 37,5kHz por segundo, o mesmo que geralmente é emitido por caixas-pretas.

De acordo com o jornal chinês Liberation Daily, três pessoas a bordo teriam ouvido o sinal mas não o gravaram, porque ele teria "vindo repentinamente".

O analista de assuntos internacionais da BBC Nick Childs afirma que apesar de animadora, a notícia deve ser tratada com cautela.

? Nas últimas semanas recebemos pistas que a princípio pareciam muito promissoras, mas que acabaram dando em nada.

Para Childs, o elemento significativo é a frequência do sinal detectado, que equivale aos "pings" (sinais de dados) emitidos por caixas-pretas.

Desde a sexta-feira (4), equipes de buscas vêm usando equipamento de alta tecnologia para tentar achar a caixa-preta do avião.

Dois dos navios que participam da operação têm tecnologia para localização submarina. Eles carregam um "towed pinger locator", dispositivo que é rebocado em baixa velocidade pelo navio e tenta ler pings que estão sendo emitidos no mar.

As equipes têm pouco tempo para usar esta técnica, porque as baterias das caixas-pretas costumam durar apenas cerca de 30 dias.

Com as baterias expiradas, perde-se a chance de se tirar proveito da emissão dos pings para achar o avião.

Ele fazia a rota de Kuala Lumpur, na Malásia, a Pequim, na China, quando desapareceu.

Tudo indica que o avião caiu no sul do oceano Índico, mas até agora nenhum destroço foi achado.



Fonte: r7