Militares apoiam Maduro e adiamento de posse de Chávez

Enquanto isso, a oposição anunciou nesta quarta-feira que vai ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) pedir um pronunciamento sobre a prorrogação.

O ministro da Defesa da Venezuela, Diego Molero Bellavia, anunciou na noite de terça-feira que o alto comando militar do país apoia o vice-presidente Nicolás Maduro e o adiamento da posse do presidente Hugo Chávez. Enquanto isso, a oposição anunciou nesta quarta-feira que vai ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) pedir um pronunciamento sobre a prorrogação da cerimônia que oficializa a continuidade de Chávez no governo, com a esperança de que o órgão mantenha a obrigatoriedade da posse para esta quinta-feira (10).


Militares apoiam Maduro e adiamento de posse de Chávez

- É muito evidente que Chávez não está governando. Eles querem nos fazer acreditar que ele está no comando, mas não está - disse Ramón Guillermo Aveledo, secretário-executivo da Mesa de Unidade Democrático.

Na noite de terça-feira, em vídeo conferência, o representante dos militares disse que Maduro pode contar com Forças Armadas "unidas" e com "lealdade inquestionável.

- Eu queria reforçar ao senhor vice-presidente que você conta com uma Força Armada Nacional Bolivariana unida, com altíssima moral, uma capacidade de atuação íntegra e também com uma lealdade inquestionável. Somos comprometidos de alma, mente e coração com o processo revolucionário - expressou Bellavia, ao lado de Maduro.

O ministro também afirmou que as Forças Armadas entendem claramente a Constituição, em um sinal de apoio ao adiamento da posse de Chávez, aprovado na terça-feira pela Assembleia Nacional.

- Temos Forças Armadas que entendem claramente, não só a Constituição, mas que levam também no coração a essência de que viemos desse povo, devemos a ele, e obedecemos a ele.

Na terça-feira, o governo venezuelano confirmou que Chávez não fará o juramento no dia 10 de janeiro para assumir seu novo mandato. Em comunicado lido a congressistas, Maduro pediu, em nome do presidente, que ele faça o juramento em outra data diante do Tribunal Supremo de Justiça, de acordo com o Artigo 231 da Constituição.

O comunicado, no entanto, não especificou qualquer data para a realização da cerimônia, gerando críticas da oposição. A mensagem foi lida pelo presidente da Assembleia Nacional, Diosdado Cabello, enquanto governistas aplaudiam e rivais políticos permaneciam em silêncio.

A Sala Constitucional do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) - dominada por juízes chavistas - deve se pronunciar nesta quarta-feira sobre a correta interpretação dos artigos da Constituição que se referem ao juramento da posse, à ausência temporária e à ausência definitiva do presidente.

Para os partidários de Chávez, a data da posse é apenas um formalismo e o Artigo 231 não especifica a data e nem o local para a cerimônia diante do TSJ. No entanto, oposicionistas acreditam que a data da posse é uma e não pode ser alterada.

Em resposta, Maduro também argumenta que Chávez tem uma permissão para se tratar em Cuba ?pelo tempo que for necessário?, segundo o artigo 235 da Carta Magna. De acordo com a norma, a Assembleia Constitucional tem o direito de dar a aval para que o presidente passe mais do que cinco dias fora do país e continue em exercício.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/mundo/militares-apoiam-maduro-adiamento-de-posse-de-chavez-7237805#ixzz2HUgwR0g5

© 1996 - 2013. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.

Fonte: O Globo, www.oglobo.com.br