Ministro e companheiro se casam na cidade granadina de Jun

A cerimônia foi realizada no Pavilhão das Artes de Jun.

O ministro australiano Ian Hunter e seu marido, Leith Semmens, se casaram nesta quarta-feira na cidade granadina de Jun, no sul da Espanha, em uma cerimônia que foi transmitida ao vivo na internet. O casal decidiu se casar na Espanha porque a união entre pessoas do mesmo sexo não é reconhecida na Austrália, onde eles vivem.

A cerimônia foi realizada no Pavilhão das Artes de Jun, um município muito próximo à capital de Granada, e presidida pelo próprio prefeito da região, José Antonio Rodríguez Salas, do Partido Socialista Operário espanhol (PSOE). O casamento, que começou ao som dos hinos da Espanha e da Austrália, foi acompanhado por familiares e amigos do casal e seguiu as curiosas tradições de Jun: os namorados assinaram a documentação com uma caneta verde e se beijaram exatamente durante 17 segundos.

O ministro de Comunidades e Inclusão Social do Sul da Austrália, do Partido Trabalhista, e seu companheiro decidiram antecipar a cerimônia depois que o Parlamento australiano rejeitasse uma proposta para legalizar o casamento gay no país. Apesar de ter optado por se casar na Espanha há algum tempo, o casal não tinha fixado uma data até o mês passado, quando desistiram de aguardar a sentença do Tribunal Constitucional da Austrália sobre o casamento entre homossexuais.

A cerimônia de hoje foi retransmitida através de um canal de Twitter (Twitcam) e pôde ser acompanhada da Austrália e de qualquer outro ponto do planeta. O prefeito José Antonio Rodríguez Salas explicou à Agência Efe que o casal optou por se casar em Jun depois que ele mesmo se oferecesse para celebrar o casamento através do Twitter.

A partir deste "tweet", o ministro australiano entrou em contato com o político e acabou marcando seu casamento no sul da Espanha. Rodríguez Salas, que assegura ter consciência de que algumas outras "personalidades" já se interessaram em realizar seus casamentos em Jun, aproveitará o próximo plenário ordinário municipal para fazer uma reprovação à primeira-ministra australiana, a trabalhista Julia Gillard, por se opor à proposta de seu companheiro de bancada para legalizar o casamento entre homossexuais.

Fonte: R7, www.r7.com