Morre Reverendo Moon, fundador da igreja da Unificação

Morre Reverendo Moon, fundador da igreja da Unificação

Moon nasceu em uma cidade que hoje pertence à Coreia do Norte

Sun Myung Moon, reverendo e fundador da Igreja da Unificação, morreu neste domingo segundo a agência sul-coreana Yonhap. Moon estava internado há duas semanas por causa de uma pneumonia em um hospital que pertencia à igreja perto de sua casa em Gapyeong, no nordeste de Seul. Sua mulher e filhos estavam ao seu lado.

Moon nasceu em uma cidade que hoje pertence à Coreia do Norte, e fundou o movimento religioso em 1954, depois de sobreviver à Guerra da Coreia. Ele pregava novas interpretações das lições da Bíblia.

A origem da seita está relacionada à crença de que Moon, aos 16 anos, encontrou-se com Jesus, que o teria inspirado a desenvolver uma doutrina que defende o trabalho e o fortalecimento do casamento e da família como princípios fundamentais do ser humano.

Segundo o site Huffington Post, a igreja ganhou notoriedade e fama nas décadas de 1970 e 1980 por realizar casamentos em massa de milhares de fiéis, muitas vezes de diferentes países, a quem Moon combinava em uma tentativa de construir um mundo religioso multicultural.

A seita estaria presente em mais de 120 países e teria, segundo seus seguidores, mais de 5 milhões de fiéis em todo o mundo. No Brasil a igreja tem forte presença e, no Mato Grosso do Sul, foi investigada em 2002 por lavagem de dinheiro.

A Igreja da Unificação do reverendo Moon, através da Associação das Famílias para a Unificação e a Paz Mundial, instalou-se, nos anos 90, em área situada em municípios do sudoeste de Mato Grosso do Sul, chegando a ter um total de 16 fazendas. Um dos projetos mais conhecidos é a fazenda New Hope, de 22 mil hectares. A igreja também investe em esporte, possuindo seis times de futebol, sendo dois no Brasil: o Atlético Sorocaba (SP) e o CENE, de Campo Grande (MS).

O movimento foi acusado pelo Ministério Público Federal brasileiro de lavagem de dinheiro e ameaça à soberania nacional. Críticos acusam o grupo de lavagem cerebral, messianismo, anti-semitismo, tráfico de armas e até abuso sexual das mulheres que entram na seita.

Fonte: Terra