Nova York enfrenta caos após furacão; 6 mi estão sem energia

Nova York enfrenta caos após furacão; 6 mi estão sem energia

Nova York enfrenta congestionamento pela falta do metrô.

Cerca de seis milhões de casas ainda estão sem energia na manhã desta quarta-feira nos Estados Unidos por causa da tempestade Sandy em 15 Estados e na capital Washington. Enquanto isso, Nova York enfrenta congestionamento pela falta do metrô.

Segundo as companhias de energia, Nova Jersey é o Estado mais afetado, com mais de 2 milhões de clientes sem energia, seguido por Nova York, com 1,7 milhão.

Também são afetados os Estados de Maine, Vermont, Rhode Island, Massachusetts, Connecticut, Delaware, Pensilvânia, Ohio, Tennessee, Virgínia Ocidental, Maryland, Virgínia, Carolina do Norte, Kentucky e Illinois.











Além da falta de energia elétrica, a região próxima a Nova York enfrenta congestionamentos no primeiro dia de retomada do trabalho após a passagem de Sandy devido ao fechamento do metrô e dos túneis rodoviários e ferroviários com os subúrbios vizinhos.

Segundo o prefeito Michael Bloomberg, a operação do trem metropolitano só será retomada no fim de semana. Os túneis foram inundados e ainda estão com água a 1,20 m de altura. O serviço de trens até Nova Jersey foi suspenso por dez dias.

Os túneis rodoviários também estão alagados e não têm previsão de abertura. Um deles, o Brooklyn-Battery, tem 11.360 metros cúbicos de água em seu interior, segundo o governo de Nova York.

Com isso, os moradores da cidade são obrigados a recorrer aos carros, aos ônibus, que circulam com frota reduzida, e aos cerca de 4.000 dos 25 mil táxis que circulam diariamente na ilha de Manhattan.

Em Nova Jersey, três cidades do norte do Estado ainda estão com água acima de 2 metros de altura por causa do rompimento de um dique na manhã de terça-feira.

Na cidade de Nova York, uma das mais afetadas pelas inundações, dois dos três aeroportos --John F. Kennedy e Newark-- voltaram a funcionar, permitindo a saída de milhares de pessoas que tiveram que esperar a tempestade passar.

Fonte: Folha