Obama irá a Nova Jersey falar com afetados pela tempestade

Sandy provocou uma devastação inimaginável no litoral de Nova Jersey.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, viajará amanhã ao estado de Nova Jersey, um dos mais afetados pela tempestade "Sandy", para falar com os afetados e avaliar os danos, anunciou nesta terça-feira a Casa Branca. Obama, que tentará a reeleição no pleito do próximo dia 6 de novembro, tinha cancelado previamente hoje suas atividades de campanha previstas para esta quarta-feira no estado-chave de Ohio.

O líder visitará junto com o governador de Nova Jersey, Chris Christie, as áreas afetadas por "Sandy", que tocou terra nesta segunda-feira nesse estado. Além disso, "falará com os cidadãos que estão se recuperando da tempestade e agradecerá àqueles que puseram em risco suas vidas para proteger suas comunidades", segundo um comunicado divulgado pela Casa Branca.

"Sandy" provocou uma "devastação inimaginável" no litoral de Nova Jersey, onde hoje continua o resgate e a evacuação de moradores ilhados em Atlantic City pelas inundações, segundo informou o governador Christie. Muitas casas foram arrancadas de suas bases e arrastadas pelos ventos e correntes, o que obrigou a abertura de mais abrigos neste estado, onde há 2,4 milhões de lares sem luz.

Antes que "Sandy" tocasse terra nesta segunda-feira, Obama retornou a Washington desde Orlando (Flórida), onde cancelou um comício, e decidiu suspender todas suas atividades de campanha previstas para hoje. O líder realizou hoje uma visita não anunciada à sede da Cruz Vermelha em Washington, onde alertou que a situação "ainda não terminou", em alusão às possíveis inundações que podem ser geradas pelas fortes chuvas de segunda. Ali ressaltou também as "extraordinárias" dificuldades pelas quais passaram os moradores dos estados do nordeste dos EUA afetados por "Sandy" e disse que se trata de uma situação "dolorosa" para todo o país.

Obama destacou, além disso, a coordenação entre as autoridades locais e estaduais para fazer frente ao ciclone, assim como a "resistência" dos moradores da cidade de Nova York, uma das mais afetadas.

Fonte: R7, www.r7.com