ONU: prisões secretas fazem parte de uma "campanha de terror" na Síria

Os grupos islâmicos também exigem resgates em troca de prisioneiros, o que representa diferentes crimes de guerra, acrescentou o relatório.

Ativistas sírios e outros cidadãos têm desaparecido em prisões secretas como parte de uma "campanha disseminada de terror contra a população civil" conduzida pelo governo de Damasco, disseram investigadores da ONU nesta quinta-feira (19).

A prática de desaparecimentos forçados na Síria, em sequestros que são negados oficialmente, é sistêmica o bastante para configurar crime contra a humanidade, disse a ONU em um relatório.

Alguns grupos armados no norte da Síria, especialmente o Estado Islâmico do Iraque e do Levante, também mantêm pessoas sequestradas em prisões sem comunicação, e negam a existência dos cativeiros, o que configura crime de desaparecimento forçado, disse a ONU.

Os grupos islâmicos também exigem resgates em troca de prisioneiros, o que representa diferentes crimes de guerra, acrescentou o relatório.

Mas a maioria das testemunhas identificou funcionários da inteligência síria, soldados e milícias a favor do governo como responsáveis por sequestrar pessoas cujos destinos permanecem desconhecidos, de acordo com investigadores independentes liderados pelo diplomata brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro.

Em um relatório separado, o escritório da Anistia Internacional em Londres disse nesta quinta-feira que militantes islâmicos conduzem "um chocante catálogo de abusos" em prisões secretas no norte da Síria, incluindo torturas, espancamentos e execuções após julgamentos sumários.

Fonte: r7