EUA: Pai e homem são acusados de torturar filho com pit bull; veja

EUA: Pai e homem são acusados de torturar filho com pit bull; veja

Homem suspeitou que garoto roubou morfina e recebeu ajuda do pai dele

Um homem de Wisconsin, EUA, que suspeitava que um garoto de 18 anos que visitava sua casa havia roubado morfina e moedas de ouro foi acusado nesta quinta-feira (6) de amarrar o adolescente por seus tornozelos e ordenar que seu pit bull o atacasse, enquanto o próprio pai do adolescente o ajudava.

Richard R. Lisko, 58, é acusado de cárcere privado e lesão por uso negligente de uma arma perigosa. O pai do adolescente, Joel E. Kennedy, 43, é acusado de fazer parte de um crime com os mesmos delitos, e também com a omissão de ajuda a uma vítima.

Caso

Os promotores disseram que Kennedy e seu filho, Joel Kennedy Jr., visitou a casa de Lisko na última sexta-feira (31), e que Lisko acusou o adolescente de roubo. Ele, então, mandou a seu cão, Bubba, atacar o jovem.

O adolescente disse aos investigadores que, depois, Lisko amarrou a coleira do cão em torno de seus tornozelos, e que Lisko e seu pai suspenderam ele de uma viga da varanda. Ele disse que o cão foi incitado a atacá-lo ainda mais, e que ele foi mantido de cabeça para baixo por aproximadamente uma hora.

O adolescente sofreu cortes e perfurações no pescoço, orelhas e couro cabeludo que os investigadores disseram parecer consistentes com mordidas de cães e arranhões. Ele também teve queimaduras de corda ao redor de seus pés e tornozelos.

"Meu pai ajudou o cara a me amarrar", o adolescente disse à WISN-TV. "Eu estava pingando sangue por toda parte, em todo o lugar. Fiquei pensando "O que vai acontecer comigo? O que vai acontecer comigo?"

Kennedy disse aos detetives que ele não tentou parar Lisko "porque ele estava com medo de que Lisko fosse um membro de uma gangue de motociclistas", segundo a queixa. "Ele também afirmou que sentiu que seu filho precisava aprender uma lição", consta no documento.

Um juiz ordenou fiança de US$ 50 mil (R$ 101 mil) ao pai e de US$ 100 mil (R$ 202 mil) a Lisko, que já passou por condenação por abuso infantil.

Fonte: G1